UNFPA forma 70 profissionais da região norte em atualização sobre dispositivo intrauterino (DIU)

  • O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) realizou o curso “Atualização Sobre DIU: Ampliando o Acesso e a Garantia de Direitos”, que teve a participação de 70 profissionais de saúde dos estados de Roraima e Manaus e foi finalizado nesta sexta-feira (27).  
  • A formação foi realizada pelo UNFPA Brasil, apoiado pelo Escritório Regional da América Latina e Caribe (UNFPA-LACRO), com implementação da plataforma de ensino a distância Residência Educação, totalizando 12 horas de aulas.
  • O objetivo foi atualizar profissionais dos dois estados da região norte com os dados e orientações mais recentes sobre o uso do dispositivo intrauterino (DIU) de cobre. O método contraceptivo possui eficácia superior a 99%, dura 10 anos e tem baixa incidência de efeitos colaterais.
UNFPA oferece curso virtual para profissionais de Roraima e do Amazonas.
UNFPA oferece curso virtual para profissionais de Roraima e do Amazonas.

Um dos principais objetivos do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) é acelerar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva. Para alcançar essa meta, melhorar a oferta de métodos contraceptivos é fundamental. Com base nessa proposta, o UNFPA organizou o curso de ensino a distância “Atualização Sobre DIU: Ampliando o Acesso e a Garantia de Direitos”, que teve a participação de 70 profissionais de saúde dos estados de Roraima e Manaus e foi finalizado nesta sexta-feira (27). 

A formação foi realizada pelo UNFPA Brasil, apoiado pelo Escritório Regional da América Latina e Caribe (UNFPA-LACRO), com implementação da plataforma de ensino a distância Residência Educação, totalizando 12 horas de aulas.

O objetivo foi atualizar profissionais dos dois estados da região norte com os dados e orientações mais recentes sobre o uso do dispositivo intrauterino (DIU) de cobre. O método contraceptivo possui eficácia superior a 99%, dura 10 anos e tem baixa incidência de efeitos colaterais.

Segundo a oficial de saúde sexual e reprodutiva do UNFPA, Anna Cunha, o DIU ainda é pouco utilizado pelas mulheres que buscam contracepção no Brasil, apesar de ser ofertado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde e de ser um método muito eficiente, de longa duração e reversível.

“Esse curso buscou atualizar profissionais de saúde com as melhores evidências e boas práticas sobre esse método, para que estejam confiantes ao informar as usuárias em suas escolhas e conduzam com mais segurança, em todas as etapas de inserção e utilização do DIU. Sem dúvida, o DIU é um insumo importante para ampliar e fortalecer as opções e os direitos reprodutivos das mulheres no país", completou.

A atualização teve consultoria técnica e foi ministrada pela médica ginecologista Giani Cezimbra, com larga experiência em reprodução humana, contracepção e utilização do DIU. Ela disse que “o curso foi pensado no sentido de atualizar profissionais de saúde que já tenham conhecimento e prática básica de trabalhar com o DIU, trazendo novas informações e desmistificando questões”.

“A gente identificou os fatores nos contextos dos serviços, no sentido de promover que mais DIUs possam ser inseridos. Vemos que um dos fatores é a falta de treinamento dos profissionais. Desmistificamos algumas questões, trouxemos as informações mais recentes baseadas em evidência. O UNFPA, como grande promotor da qualificação da saúde sexual e reprodutiva no Brasil, teve essa ação com um objetivo que é ampliar as opções de métodos efetivamente ofertados às mulheres no país, especialmente o acesso ao DIU, sem barreiras”.

O médico do programa de Saúde da Família em Manaus, Martin Sanchez de 41 anos, participou da atualização. Para ele “é importante a divulgação do DIU porque tem muitas vantagens em relação a outros métodos, de ser reversível, de poder colocar em qualquer fase do ciclo menstrual”. 

Ele destacou que, para aumentar a acesso, também é fundamental trabalhar a questão da informação, pois “o que a maioria das mulheres e dos homens conhece são as pílulas, os métodos injetáveis e a camisinha masculina, e o resto quase não é falado”. O médico ainda afirmou que “o curso foi muito bom, com linguagem simples e objetiva, além de vídeos muito didáticos”.

A médica ginecologista obstetra Daniela Klink, 51, também de Manaus, já realiza a inserção do DIU em consultório e no Sistema Único de Saúde e afirmou que “o curso trouxe uma visão baseada nos estudos mais recentes. Para os colegas clínicos que estão na ponta, na atividade primária, foi bem importante para ampliar a visão e compreenderem a importância do DIU”.

Segundo ela, “é fundamental estimular o crescimento dos LARC [métodos contraceptivos de longa duração, na sigla em inglês], especialmente do DIU. No sistema público de saúde, muitas vezes que o maior empecilho para o uso de contraceptivos é lembrar horário, se planejar, e o DIU, por ser ‘esquecível’, é fundamental”.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
UNFPA
Fundo das Nações Unidas para a População