UNAIDS lamenta morte de Timothy Brown, o 'paciente de Berlim'

  • Conhecido como ‘paciente de Berlim’, o norte-americano Timothy Ray Brown faleceu na tarde de terça-feira (29). O óbito aconteceu em decorrência de uma leucemia, doença contra a qual lutou pelos últimos cinco meses.
  • Timothy foi o primeiro caso de uma pessoa considerada curada do HIV. O diagnóstico negativo para o vírus se deu após um transplante de células-tronco que recebeu em 2007, em razão do diagnóstico de leucemia.
Timothy Brown na abertura da exposição O.X.E.S., em abril de 2019. Foto: UNAIDS

Conhecido como ‘paciente de Berlim’, o norte-americano Timothy Ray Brown faleceu na tarde de terça-feira (29). O óbito aconteceu em decorrência de uma leucemia, doença contra a qual lutou pelos últimos cinco meses.

O comunicado da morte de Timothy foi feito por uma rede social de Tim Hoeffgen, seu parceiro há sete anos. Na publicação, Tim declarou que “O espírito de Timothy perdurará e o amor e apoio da família e amigos vão me ajudar a passar por esse momento difícil. Celebre a vida de Timothy e sempre tenha esperança”.

Timothy foi o primeiro caso de uma pessoa considerada curada do HIV. O diagnóstico negativo para o vírus se deu após um transplante de células-tronco que recebeu em 2007, em razão do diagnóstico de leucemia.

A pessoa doadora tinha uma rara mutação genética que apresentava resistência natural ao vírus da AIDS. Na época, o médico Gero Huetter, especialista em câncer sanguíneo da Universidade de Berlim, recomendou o transplante como possibilidade de vencer a leucemia e tentar curá-lo do HIV.

O caso foi considerado sem precedentes na história de pesquisas científicas sobre HIV. A partir desse estudo e resultado de sucesso de Timothy, abriram-se oportunidades para pesquisas sobre uma a possível cura do HIV, como o caso do ‘paciente de Londres’, Adam Castillejo, considerado também curado após um transplante em 2016.

Em abril de 2019, Timothy esteve no Brasil para um simpósio de AIDS e abertura da exposição de arte contemporânea O.X.E.S. Na ocasião, o UNAIDS conversou com ele sobre a relação que tinha com a causa e seu papel como ativista pelo HIV.

Além de falar sobre estigma, o ‘paciente de Berlim’ destacou os obstáculos de sua vida e comentou sobre os diagnósticos de HIV, em 1995, e leucemia, em 2006. Confira a entrevista aqui.

Timothy Brown tinha 54 anos e recebia cuidados paliativos em função do estado terminal da leucemia, que voltou nos últimos cinco meses e de forma agressiva. O ‘paciente de Berlim’ faleceu na Califórnia, Estados Unidos.

 

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
UNAIDS
Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/SIDA