Mulheres indígenas mantêm tradições com plantio de milho Avaxi Ete

Cacique da aldeia Tekoa Takuaty, Juliana Kerexu tenta manter a tradição do povo Mbya-Guarani através do cultivo do milho Avaxi Ete.

“Está vendo este milho Avaxi Ete? Enquanto a semente dele existir, o povo Mbya-Guarani vai existir”. Foi este o ensinamento que a avó de Juliana Kerexu passou para ela, ainda moça. Única filha mulher entre seis irmãos, Juliana é fundadora e cacique da aldeia Tekoa Takuaty, localizada na Ilha da Cotinga, litoral do Paraná, a primeira da região liderada por uma mulher.

A aldeia busca manter a tradição do povo Mbya-Guarani através do cultivo do milho Avaxi Ete. Essa é uma conexão da ancestralidade com a vivência do presente e a construção de um futuro. Entretanto, para realizar o sonho de guardar a tradição de seu povo, o caminho de Juliana foi repleto de dificuldades.

“Eu tive um sonho muito nítido. Vi uma aldeia recém construída, com casas feitas de bambu, como as tradicionais, que minha avó me contava. Eu vi também uma casa de reza, que tem um significado gigantesco para nós. O milho, plantado e colhido, é um agradecimento à cura e ao batismo. Quando encostei nesta casa, a terra ainda estava úmida e acordei. Minha mãe e meu marido me falaram que era Nhanderu (deus em Guarani) e Nhandexy Hete (nossa mãe eterna), mostrando minha aldeia”, lembrou.

Milho Avaxi Ete representa a força da mulher indígena.
Milho Avaxi Ete representa a força da mulher indígena.

A partir deste sonho, Juliana e o marido buscaram uma localização para a aldeia. Depois de várias expedições, escolheram a Ilha da Cotinga, local onde a cacique nasceu e foi criada.

No final de 2018 foi construída a primeira casa da aldeia. Hoje, já possuem a própria casa de reza e cerca de 21 pessoas - entre mulheres, homens e crianças - trabalham na colheita do milho e de outros alimentos, como mandioca, batata doce, melancia e amendoim.

Eleita como cacique em 16 de novembro de 2018, Juliana Kerexu lembrou que algumas espigas utilizadas no primeiro plantio haviam sido guardadas por sua avó e sua mãe, e por isso considera que as mulheres são as principais guardiãs da tradição do milho Avaxi Ete. “O milho e a plantação nos trazem muita força. Os homens participam e ajudam, mas são as mulheres que fazem a plantação junto com os filhos. A mulher, dentro da comunidade, se torna a guardiã das sementes”.

Fortalecendo o plantio e as tradições

A colheita deste ano trouxe muita alegria para a aldeia, que viu no milho vermelho o resultado de muitas lutas e vitórias, além de um grande senso de trabalho em comunidade e da importância da espiritualidade. O cultivo também trouxe autonomia, tanto no aspecto alimentar quanto econômico, pois permite que se alimentem de maneira suficiente com o que produzem, reforçando a importância do Nhandereko (jeito de ser e viver Guarani). A previsão é que para o plantio deste ano chegue a triplicar.

Juliana Kerexu explicou que o principal objetivo da colheita é que a semente chegue onde é necessária. “Não vendemos o milho que plantamos, nós trocamos com outras aldeias, porque acreditamos na importância de cultivar a semente sagrada dentro da nossa cultura”.

Além disso, a próxima colheita, que acontece em março do ano que vem, traz a expectativa da realização da cerimônia do milho – Nhemongarai -um ritual muito importante para o povo Mbya-Guarani, em que se recebe orientação espiritual e de cura. As sementes do milho são benzidas, trazendo a renovação da vida e o fortalecimento para o corpo e espírito.

Rede de apoio entre mulheres indígenas

Indígena guarani trabalha na colheita do milho Avaxi Ete.
Indígena guarani trabalha na colheita do milho Avaxi Ete.

Na cultura Mbya-Guarani, a origem de toda a humanidade se deu a partir da criação de uma mulher gerada por Nhanderu (deus)Passada de avó para mãe e depois para filha, a mensagem que Juliana Kerexu deixa é que as mulheres precisam acreditar na sua ancestralidade, pois nasceram desta força da criação.

Ela lembrou que passou por muitos momentos onde não foi vista como Cacique, ou que não teve sua voz ouvida, mas que voltar para sua comunidade e ver a alegria das mulheres ao trabalhar na plantação do milho Avaxi Ete, e a confiança que adquirem ao longo do tempo, lhe dá forças para não desistir. Além disso, o apoio que sempre teve da avó e da mãe a fortaleceram para que lutasse e buscasse seu espaço.

“Acredito que não adianta apenas lutar pelas mulheres, mas sim apoiá-las para que vejam a força que elas têm. Nós mulheres temos que dar as mãos, e com isso construímos um mundo melhor. A gente consegue sim, não é à toa que estamos aqui”, finalizou Juliana.

 #MulheresRurais, Mulheres com Direitos

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) promove há cinco anos a campanha #MulheresRurais, Mulheres com Direitos, uma iniciativa conjunta e colaborativa de âmbito internacional e intersetorial na América Latina e no Caribe, para promover a visibilidade das mulheres rurais, indígenas e afrodescendentes em um contexto complexo de desigualdades estruturais e desafios sociais, econômicos e ambientais. Diante do impacto da pandemia da COVID-19 na região, os desafios tornaram-se ainda maiores.

No Brasil, a organização da campanha está a cargo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que atua em conjunto com o gabinete da primeira-dama, com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, e com a FAO no Brasil.

A história de Juliana Kerexu, cacique da aldeia Tekoa Takuaty, mostra a importância do papel das mulheres e de suas comunidades como guardiãs de sementes, alimentos tradicionais, recursos naturais, sabedoria ancestral, cultura, direitos humanos, entre outros, tornando-as verdadeiras guardiãs do desenvolvimento sustentável.

Pandemia e segurança alimentar

A pandemia da COVID-19 representa uma ameaça à segurança alimentar e nutricional, especialmente para as comunidades mais vulneráveis do mundo, alertou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

“O número de pessoas expostas a uma grave insegurança alimentar e nutricional vai crescer rapidamente. Há alimentos mais do que suficientes no mundo para alimentar a nossa população de 7,8 bilhões de pessoas. No entanto, hoje, mais de 820 milhões de pessoas passam fome. E cerca de 144 milhões de crianças com menos de 5 anos são raquíticas, mais do que uma em cada 5 crianças em todo o mundo”, alertou o secretário-geral.

Segundo a ONU, os sistemas alimentares estão falhando e a pandemia da COVID-19 está agravando a situação.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
FAO
Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura