Pesquisa ONU mostra confiança no multilateralismo para enfrentar desafios globais

  • A grande maioria das pessoas confia no multilateralismo para enfrentar os desafios globais. Este é o principal resultado de uma pesquisa feita ao longo de um ano pelas Nações Unidas.
  • A iniciativa UN75 foi lançada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, para entender os desejos e receios do público global para o futuro, assim como as expectativas e ideias para cooperação internacional e, em particular, para a ONU.
  • Mais de 1,5 milhão de pessoas de 195 países participaram através de pesquisas e diálogos.
  • Lançado para marcar o aniversário de 75 anos da Organização, o exercício foi o esforço mais ambicioso da ONU até agora para reunir contribuições do público global e a maior pesquisa sobre as prioridades para a recuperação da pandemia da COVID-19.
Ilustração para o UN75 Brasil mostra os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Ilustração para o UN75 Brasil mostra os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

A grande maioria das pessoas confia no multilateralismo para enfrentar os desafios globais. Este é o principal resultado de uma pesquisa feita ao longo de um ano pelas Nações Unidas.

A iniciativa UN75 foi lançada em janeiro do ano passado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, para entender os desejos e receios do público global para o futuro, assim como as expectativas e ideias para cooperação internacional e, em particular, para a ONU. Mais de 1,5 milhão de pessoas de 195 países participaram da campanha através de pesquisas e diálogos.

“A consulta global UN75 mostrou que 97% dos consultados apoiam a cooperação internacional para enfrentar os desafios globais”, afirmou Guterres. “Isto representa um forte comprometimento com o multilateralismo e com a missão das Nações Unidas. Agora é conosco – estados-membros e o Secretariado da ONU – para atingir às expectativas das pessoas que servimos”, ele acrescentou.

Lançado para marcar o aniversário de 75 anos da Organização, o exercício foi o esforço mais ambicioso da ONU até agora para reunir contribuições do público global e a maior pesquisa sobre as prioridades para a recuperação da pandemia da COVID-19.

Desafios de curto prazo - Com a pandemia do coronavírus revertendo o progresso do desenvolvimento humano e aumentando as desigualdades, muitos entrevistados priorizaram o acesso a serviços básicos e o apoio a comunidades e lugares mais afetados no curto prazo. A prioridade global mais imediata indicada foi o acesso universal a cuidados em saúde, de acordo com os resultados.

Além disso, dado o impacto da crise global nas crianças e na educação, mais investimentos em educação e programas para a juventude foram considerados prioritários entre os consultados, particularmente na África subsaariana e central e no sudeste da Ásia.

Desafios de longo prazo -  Enquanto as pessoas esperam que o acesso aos serviços de saúde melhore nos próximos 25 anos, os consultados em todas as regiões identificaram mudanças climáticas e assuntos ambientais como o principal desafio no longo prazo. A região de América Latina e Caribe contou com a maior quantidade de pessoas selecionando esta resposta – 73%.

Outras prioridades de longo prazo variam de acordo com o nível de renda, mas incluem preocupação crescente com oportunidades de emprego, respeito pelos direitos humanos e redução de conflitos.

As pessoas de países com maior índice desenvolvimento humano deram maior prioridade ao meio ambiente e direitos humanos, enquanto os respondentes de países com menor índice de desenvolvimento humano elencaram como maiores prioridades redução de conflitos e alcance de necessidades básicas, como emprego, saúde e educação.

Apesar de todas as preocupações, 49% dos entrevistados acreditam que as pessoas estarão em situação melhor em 2045, contra 32% que acham que a situação estará pior.

O papel da ONU - Os resultados mostram que muitos consultados também veem as Nações Unidas para liderar a cooperação internacional e abordar desafios imediatos e de longo prazo, com muitos também pedindo que a Organização inove – seja mais inclusiva, engajada, confiável e efetiva.

Em pesquisas e diálogos UN75 conduzidos ao redor do mundo, os participantes pediram a liderança moral da ONU; um Conselho de Segurança reformado, representativo e ágil; um Sistema ONU inclusivo e participativo, com melhor compreensão do trabalho da Organização entre os cidadãos ao redor do mundo e que mostre mais cuidado com as necessidades das pessoas.

UN75 -  Mais de 1,5 milhão de pessoas de 195 estados-membros e estados observadores da ONU participaram dos Diálogos UN75. Mais de 1,3 milhão de pessoas responderam à pesquisa online; centenas de milhares de pessoas de mais de 100 países participaram de diálogos; 50 mil pessoas de 50 países participaram de uma pesquisa conduzida pela Edelman Intelligence e o Centro de Pesquisa Pew; milhares de jovens participaram de jogos UN75, centenas de pesquisadores participaram do processo de mapeamento dos dados. Incluindo a rede de colaboradores e membros, mais de 60 mil organizações e 900 milhões de pessoas viram notícias, eventos e atualizações sobre a iniciativa UN75.

Em 21 de setembro, os estados-membros da ONU adotaram a Declaração em Comemoração ao 75º Aniversário das Nações Unidas, na qual eles se comprometem a responder aos resultados da consulta global e estabelecem 12 compromissos para responder aos desafios globais.

Guiados por estes compromissos e pelo retorno recebido pela iniciativa UN75, o secretário-geral lançou um processo de reflexão sobre o futuro do multilateralismo, destinado a gerar recomendações para uma ação global transformativa que atenda a problemas comuns e prepare para as ameaças e oportunidades do futuro. O relatório será apresentado ao fim da 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU em setembro de 2021.

Para mais informações e solicitações de entrevistas, entre em contato:

Jahan Rifai (jahan.rifai@un.org) em Nova Iorque

Alessandra Vellucci (alessandra.vellucci@un.org) em Genebra

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OSESGY
Office of the Special Envoy of the Secreatary-General for Yemen
ONU
Organização das Nações Unidas