Conheça o projeto "Nutrir o Futuro" do WFP

  • O Centro de Excelência contra a Fome do WFP no Brasil, o Ministério da Saúde e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores lançaram a página do projeto “Nutrir o Futuro” - uma iniciativa de cooperação Sul-Sul pelo enfrentamento da múltipla carga da má nutrição em escolares.
  • Este projeto busca sinergias e complementaridade com outras iniciativas brasileiras e internacionais do setor, bem como com as atividades desenvolvidas pelos escritórios do WFP na Colômbia e no Peru. 
Projeto de cooperação Sul-Sul pelo enfrentamento da múltipla carga da má nutrição em escolares.

O Centro de Excelência contra a Fome do WFP no Brasil, o Ministério da Saúde e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores lançaram a página do projeto “Nutrir o Futuro” - uma iniciativa de cooperação Sul-Sul pelo enfrentamento da múltipla carga da má nutrição em escolares.

Este projeto busca sinergias e complementaridade com outras iniciativas brasileiras e internacionais do setor, bem como com as atividades desenvolvidas pelos escritórios do WFP na Colômbia e no Peru.

Essa troca horizontal de conhecimentos, principalmente no combate ao sobrepeso e obesidade infantil, visa apoiar processos de fortalecimento das instituições públicas nacionais e dos setores de nutrição e saúde considerados fundamentais para a gestão das políticas públicas de alimentação e nutrição nos países parceiros.

No Brasil, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 1 em cada 3 crianças com idade entre 5 e 9 anos está acima do peso no país. As notificações do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional de 2019 revelam que 16,33% das crianças brasileiras entre cinco e dez anos estão com sobrepeso; 9,38% com obesidade; e 5,22% com obesidade grave. Em relação aos adolescentes, 18% apresentam sobrepeso; 9,53% são obesos; e 3,98% têm obesidade grave.

Na Colômbia, a prevalência de excesso de peso atual em crianças menores de 18 anos no país é de 17,53%, o que se traduz em cerca de 2,7 milhões de pessoas. Entre 2005 e 2015, por exemplo, este número cresceu cerca de 70%, de acordo com as últimas medições feitas no país.

No Peru, nos últimos 20 anos, o padrão alimentar tem gerado aumento do sobrepeso e da obesidade em todos os grupos populacionais, o que tem causado aumento das doenças crônicas como: diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares e diversos tipos de câncer.

Segundo dados do Ministério da Saúde (2018), 53,8% dos peruanos com 15 anos ou mais estão com sobrepeso. Desse total, 18,3% são obesos. O excesso de peso ocorre por dois motivos principais: falta de atividade física e consumo excessivo de junk food, comida ultraprocessada, rica em açúcar, sal e gordura saturada. Esses males também são cada vez mais comuns entre as crianças. A obesidade infantil, especificamente em crianças de 5 a 9 anos, atinge a alarmante porcentagem de 19,3%.

Com a pandemia da COVID-19, esses números tendem a aumentar. Esses problemas, além de afetarem saúde e a qualidade de vida das pessoas, também causam várias doenças, com consequências sociais e econômicas para as famílias, comunidades e governos.

O projeto "Nutrir o Futuro" foi formalizado em dezembro de 2019 e o primeiro workshop com os países cooperantes aconteceu em dezembro de 2020.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
WFP
Programa Mundial de Alimentos