Chefe da OMS pede que fabricantes priorizem produção de vacinas para COVAX

  • O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu que os fabricantes priorizem contratos com a iniciativa da ONU para acesso equitativo de vacinas, a COVAX.
  • “Não é questão de caridade, é questão de epidemiologia”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus.
  • A COVAX está trabalhando para garantir a distribuição equitativa de vacinas, diagnósticos e terapias para barrar a marcha devastadora do coronavírus.
  • Tedros agradeceu ao G-7 e às nações da União Europeia, que se comprometeram com uma contribuição extra de 4,3 bilhões de dólares na semana passada.
Líderes do G7 se comprometeram a tornar vacinas contra COVID-19 disponíveis para todas as pessoas e recentemente aumentaram o financiamento da iniciativa COVAX.
Líderes do G7 se comprometeram a tornar vacinas contra COVID-19 disponíveis para todas as pessoas e aumentaram o financiamento da iniciativa COVAX

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu que os fabricantes priorizem contratos com a iniciativa da ONU para acesso equitativo de vacinas, a COVAX. “Não é questão de caridade, é questão de epidemiologia”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Na conversa quinzenal com jornalistas, o diretor-geral da OMS elogiou o compromisso de líderes do G7 de intensificar a cooperação e aumentar a contribuição para o esforço internacional chamado de programa Acelerador ACT para 7,5 bilhões de dólares.

A COVAX está trabalhando para garantir a distribuição equitativa de vacinas, diagnósticos e terapias para barrar a marcha devastadora do coronavírus. Tedros agradeceu ao G-7 e às nações da União Europeia, que se comprometeram com uma contribuição extra de 4,3 bilhões de dólares na semana passada.

“Estes fundos e doações nos colocam um passo mais próximo de alcançar nosso objetivo e começar a vacinação de trabalhadores em saúde e idosos em todos os países nos primeiros 100 dias do ano”, afirmou Tedros.

Ele acrescentou que todos os países precisam avançar, lembrando que dinheiro não é o único desafio: “Se não há vacinas para comprar, o dinheiro é irrelevante. Atualmente, alguns países de alta renda estão fazendo contratos com fabricantes de vacinas que prejudicam os acordos firmados pela COVAX e reduzem o número de doses que a iniciativa pode comprar”.

“Mesmo que tivéssemos os recursos, só podemos entregar vacinas aos países mais pobres se os países de alta renda cooperam em respeitar os acordos feitos pela COVAX e os novos acordos que estão sendo feitos", afirmou. 

O chefe da OMS disse que ainda há um déficit de financiamento de cerca de 23 bilhões de dólares para custear completamente a iniciativa Acelerador ACT para vacinas.

Tedros afirmou que, para garantir que os países de baixa e média renda mais em risco consigam as doses o quanto antes, é necessário “mais financiamento, que os países compartilhem doses imediatamente, que os fabricantes priorizem os contratos com a COVAX, e que haja um aumento significativo na produção de vacinas”.

Mais vacinas estão sendo desenvolvidas, aprovadas e produzidas. “Haverá o suficiente para todos. Mas por enquanto e pelo resto do ano, as vacinas serão um recurso limitado. Precisamos usá-las o mais estrategicamente possível”, destacou.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OMS
Organização Mundial da Saúde