Ataque a comboio do Programa Mundial de Alimentos deixa três mortos no Congo

  • O embaixador italiano na República Democrática do Congo, Luca Attanasio, um membro da equipe do Programa Mundial de Alimentos (WFP) e um funcionário da embaixada italiana foram mortos na segunda-feira (22) durante um ataque a um comboio da ONU no país.
  • Outros passageiros que acompanhavam a missão, em viagem para visitar um programa de alimentação escolar administrado pela agência da ONU na província de Kivu do Norte, no leste do país, também ficaram feridos, segundo informação do WFP. 
  • Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou o ataque e defendeu rápida investigação do episódio.
  • A região enfrentou recentemente um surto de ebola.
Mulher volta para casa na província de Kivu do Norte, no Congo (foto de arquivo)
Mulher volta para casa na província de Kivu do Norte, no Congo (foto de arquivo)   

O embaixador italiano na República Democrática do Congo, Luca Attanasio, um membro da equipe do Programa Mundial de Alimentos (WFP) e um funcionário da embaixada italiana foram mortos na segunda-feira (22) durante um ataque a um comboio da ONU no país. Outros passageiros que acompanhavam a missão, em viagem para visitar um programa de alimentação escolar administrado pela agência da ONU na província de Kivu do Norte, no leste do país, também ficaram feridos, segundo informação do WFP. 

"O WFP trabalhará com as autoridades nacionais para determinar os detalhes por trás do ataque, que ocorreu em uma estrada que já havia sido liberada para viagens sem escolta de segurança", acrescentou a agência, frisando que está em contato com as autoridades italianas através dos escritórios na sede, em Roma, e na República Democrática do Congo.

O embaixador Luca Attanasio e seu segurança, Vittorio Iacovacci, estavam entre sete pessoas que viajavam em dois veículos do WFP de Goma, capital da província de Kivu do Norte, para visitar um dos programas de alimentação escolar da agência em Rutshuru, a cerca de 40 quilômetros de distância.

O grupo saiu de Goma aproximadamente às 9h, horário local, na segunda-feira (22). Um grupo armado parou os veículos por volta das 10h15, forçando todos os passageiros a desembarcar. Um dos motoristas, Mustapha Milambo, foi morto neste momento.

“Os seis passageiros restantes foram, então, forçados a entrar no mato ao redor sob a mira de uma arma, onde houve uma troca de tiros”, segundo informações do WPF. Durante a troca de tiros, o embaixador italiano, Luca Attanasio e seu segurança, Vittorio Iacovacci, ficaram gravemente feridos e depois morreram. Os outros passageiros, todos funcionários do WFP, estão seguros. Eles incluem o vice-diretor de país da agência, Rocco Leone; a assistente do Programa de Alimentação Escolar, Fidele Zabandora; o oficial de segurança, Mansour Rwagaza, e o segundo motorista, Claude Mukata.

Repercussão - Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou condolências às famílias dos falecidos, bem como aos governos da Itália e da República Democrática do Congo. Ele pediu ao governo congolês "que investigue rapidamente este ataque hediondo direcionado a uma missão conjunta das Nações Unidas e leve os autores à justiça". Guterres reiterou que a ONU continuará apoiando o governo e o povo "em seus esforços para trazer paz e estabilidade no leste do país".

Membros do Conselho de Segurança da ONU condenaram fortemente o ataque, pedindo que os autores sejam responsabilizados. Em comunicado, eles destacaram o apoio ao papel estabilizador das Nações Unidas no país e reiteraram que "a determinação em apoiar o povo da República Democrática do Congo não será reduzida em resultado deste ou de qualquer outro ato desse tipo".

Ebola - Em declaração a repórteres no briefing regular da Organização Mundial da Saúde (OMS), na segunda-feira (22), em Genebra, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse estar "profundamente triste e extremamente preocupado" com o ataque na região, onde um recente surto virulento de ebola aumentou os desafios diários já impostos por grupos armados agindo impunemente.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OCHA
Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários