Notícias

Sistemas alimentares são responsáveis por mais de um terço das emissões globais de gases de efeito estufa

11 março 2021

  • Os sistemas alimentares mundiais são responsáveis por mais de um terço das emissões antropogênicas globais de gases de efeito estufa, de acordo com um novo estudo pioneiro publicado na Nature Food de co-autoria do estatístico sênior e especialista em mudanças climáticas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Francesco Tubiello.
  • O estudo, feito em colaboração com pesquisadores do Centro de Pesquisa Conjunta da Comissão Europeia em Ispra, Itália, apresentou uma nova base de dados – EDGAR-FOOD – que permitiu o rastreamento granular de tendências atuais e futuras. A nova ferramenta, baseada nos principais dados de uso da terra do FAOSTAT, fornece uma série de dados completa e consistente abrangendo vários setores que serão essenciais no projeto de ações de mitigação eficazes e caminhos de transformação para sistemas alimentares sustentáveis.
A base de dados EDGAR-FOOD representa um marco para a compreensão de como o sistema alimentar global se desenvolveu.
Legenda: A base de dados EDGAR-FOOD representa um marco para a compreensão de como o sistema alimentar global se desenvolveu.
Foto: © FAO

Os sistemas alimentares mundiais são responsáveis por mais de um terço das emissões antropogênicas globais de gases de efeito estufa, de acordo com um novo estudo pioneiro publicado na Nature Food.

O estudo, de co-autoria do estatístico sênior e especialista em mudanças climáticas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Francesco Tubiello, em colaboração com pesquisadores do Centro de Pesquisa Conjunta da Comissão Europeia em Ispra, Itália, oferece um tesouro de dados e, pelo menos em nível de importância, apresenta uma nova base de dados – EDGAR-FOOD – que remonta a 1990 e permite o rastreamento granular de tendências atuais e futuras. A nova ferramenta, baseada nos principais dados de uso da terra do FAOSTAT, fornece uma série de dados completa e consistente abrangendo vários setores que serão essenciais no projeto de ações de mitigação eficazes e caminhos de transformação para sistemas alimentares sustentáveis.

Abrangendo desde mudanças no uso da terra e produção agrícola até embalagem e gestão de resíduos, as emissões do sistema alimentar foram estimadas em 18 bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente em 2015. Isso representa 34% do total, uma parcela que está diminuindo gradualmente – era de 44% em 1990 – mesmo com as emissões dos sistemas alimentares aumentando em quantidades absolutas.

O estudo também oferece uma compreensão e estimativa mais precisa dos efeitos climáticos da produção, distribuição e consumo de alimentos antes da Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas de 2021 no final deste ano. O Relatório Especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), sobre Mudanças Climáticas e Terras, recentemente atribuiu aos sistemas alimentares entre 11 e 19 bilhões de toneladas de emissões por ano, uma ampla gama que ressalta a necessidade de reduzir nossas lacunas de conhecimento.

A base de dados EDGAR-FOOD representa um marco para a compreensão de como o sistema alimentar global se desenvolveu. Ele permite avaliações de como as mudanças no comportamento do consumidor ou evolução tecnológica podem impactar as emissões de GHG (Gases de Efeito Estufa) do sistema alimentar e pode servir como uma ferramenta preciosa para pesquisadores com foco em setores específicos, bem como formuladores de políticas encarregados de projetar estratégias de mitigação que não apenas deslocam emissões para outros setores.

A FAO tem poderosos conjuntos de dados de emissões sobre a agricultura e o uso da terra e está construindo um novo para apoiar o trabalho da Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU.

Principais conclusões

Cerca de dois terços das emissões dos sistemas globais de alimentos vêm do setor baseado na terra, compreendendo agricultura, uso da terra e mudanças no uso da terra. Esse número é mais alto para os países em desenvolvimento, mas também está diminuindo significativamente com a redução do desmatamento e o aumento das atividades a jusante, como processamento de alimentos e refrigeração.

Em termos de sua participação em todas as emissões antropogênicas de GHG, os sistemas alimentares dos países industrializados são amplamente estáveis em cerca de 24%, enquanto nos países em desenvolvimento diminuíram notavelmente – em parte devido a aumentos muito elevados nas emissões não alimentares – para 39% em 2015 para 68% em 1990.

Os principais emissores são, pela ordem: China, Indonésia, Estados Unidos da América, Brasil, União Europeia e Índia.

Os estágios de produção que levam os alimentos para a fazenda – incluindo insumos como fertilizantes – são agora os principais contribuintes para as emissões gerais do sistema alimentar, constituindo 39% do total. O uso da terra e fatores relacionados contribuem com 38%, enquanto a distribuição é responsável por 29%, uma parcela que está crescendo e deve continuar crescendo.

O metano (CH4) é responsável por cerca de 35% das emissões de GHG do sistema alimentar, praticamente o mesmo em países desenvolvidos e em desenvolvimento, e provém principalmente da pecuária e do cultivo de arroz.

A pesquisa destacou como os sistemas globais de alimentos estão se tornando mais intensivos em energia, refletindo tendências nos setores de varejo, embalagem, transporte e processamento, cujas emissões estão crescendo rapidamente em alguns países em desenvolvimento. Os países industrializados, por sua vez, aumentaram a emissão de gases fluorados com efeito estufa – que têm um efeito turboalimentador no aquecimento global – usados na refrigeração e em outras aplicações industriais. A refrigeração é responsável por quase metade do consumo de energia do setor de varejo e supermercado, cujas emissões aumentaram mais de quatro vezes na Europa desde 1990. As atividades da "cadeia de frio" mundial respondem por cerca de 5% das emissões globais do sistema alimentar, um número esperado para aumentar.

Ele também revelou que a embalagem agora contribui com cerca de 5,4% das emissões globais do sistema alimentar, mais do que qualquer outro fator da cadeia de abastecimento, incluindo transporte. No entanto, a intensidade das emissões varia notavelmente por produto, com o vinho e a cerveja sendo responsáveis por uma parcela significativa dos impactos das embalagens, enquanto as bananas e o açúcar de beterraba têm maiores emissões de transporte.

Em média, as emissões globais per capita anuais relacionadas aos alimentos diminuíram de 1990 a 2015 em cerca de um terço, para 2 toneladas de CO2 equivalente. Esse número não deve ser entendido como o mesmo que uma "pegada do consumidor", pois variam de acordo com padrões dietéticos específicos, mas pode ser usado para avaliar os esforços nacionais de mitigação para reduzir as emissões de GHG do sistema alimentar como um todo.

Sistemas alimentares são responsáveis por mais de um terço das emissões globais de gases de efeito estufa

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

FAO
Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa