Pandemia expôs desigualdades, afirma secretário-geral em mensagem para o Dia Mundial da Saúde

  • "A crise da COVID revelou quão desiguais são as nossas sociedades", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em sua mensagem para o Dia Mundial da Saúde, comemorado anualmente em 7 de abril.
  • O secretário-geral afirmou que a grande maioria das vacinas aplicadas até agora foram reservadas a “uns poucos países ricos” ou aqueles que produzem as doses aprovadas para distribuição.
  • Graças à iniciativa COVAX, o consórcio apoiado pela ONU para fornecer vacinas em todo o mundo, mais países estão recebendo doses.
  • O consórcio mundial apoiado pela ONU para fornecer vacinas em todo o mundo distribuiu mais de 36 milhões de doses para 86 países até o momento.
O Mali inicia o seu programa de vacinação contra COVID-19. A ministra da saúde,Fanta Siby, foi a primeira a ser vacinada.
O Mali inicia o seu programa de vacinação contra COVID-19. A ministra da saúde,Fanta Siby, foi a primeira a ser vacinada.

"A crise da COVID revelou quão desiguais são as nossas sociedades", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em sua mensagem para o Dia Mundial da Saúde, divulgada na segunda-feira (5). O Dia é comemorado anualmente em 7 de abril.

Ao destacar as desigualdades e injustiças que ficaram aparentes ao longo da pandemia, o secretário-geral afirmou que a grande maioria das vacinas aplicadas até agora, foram reservadas a “uns poucos países ricos” ou aqueles que produzem as doses aprovadas para distribuição.“A maioria das pessoas em países de baixa e média renda ainda deve assistir e esperar”, declarou o chefe da ONU.

"Essas desigualdades são imorais e são perigosas para nossa saúde, nossas economias e nossas sociedades." António Guterres, secretário-geral da ONU

Guterres também enfatizou as desigualdades internas dos países. “A doença e a morte por COVID-19 têm sido maiores entre as pessoas e comunidades que lutam contra a pobreza, condições de vida e de trabalho desfavoráveis, discriminação e exclusão social”, disse.

86 países alcançados pela COVAX - Graças à iniciativa COVAX, mais países estão recebendo doses. O consórcio mundial apoiado pela ONU para fornecer vacinas em todo o mundo distribuiu mais de 36 milhões de doses para 86 países até o momento. O anúncio foi feito pelo porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, a correspondentes na sede da ONU em Nova Iorque na segunda-feira (5).

A Argélia recebeu mais de 36.000 doses da COVAX no fim de semana, ajudando a acelerar a campanha de vacinação já em andamento no país.

"O coordenador residente da ONU, Eric Overvest, disse que as novas doses ajudarão a garantir que ninguém seja deixado para trás", acrescentou Dujarric. “Nossas equipes locais ajudam a treinar profissionais de saúde, sensibilizar as pessoas sobre vacinas e apoiar a rede de frio para a distribuição”.

No Laos, mais de 4.000 pessoas foram vacinadas com doses recebidas da COVAX, incluindo profissionais de saúde da linha de frente. A equipe da ONU, liderada pela coordenadora residente Sara Sekkenes Tollefsen, está apoiando a campanha de vacinação do país, que começou na sexta-feira (2).

Mais de 130 milhões de casos - Até 5 de abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que houve quase 131.021.000 casos confirmados de COVID-19, incluindo mais de 2.850.520 mortes.

Até o final de março, 547.727.346 doses de vacina haviam sido administradas em todo o mundo.

2030 - "Na medida em que recuperamos da pandemia da COVID-19, devemos implementar políticas e alocar recursos para que todos tenhamos os mesmos resultados em saúde", afirmou Guterres.

Segundo ele, isto envolverá alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. "E isto significa dar cobertura de saúde universal para que todo mundo, em todos os lugares, possa prosperar".

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OMS
Organização Mundial da Saúde