ONU relata milhares de pessoas em deslocamento após ataques brutais no norte de Moçambique

  • Milhares de pessoas da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, estão em deslocamento na busca por segurança, uma vez que a situação no local permanece volátil, após os ataques brutais da semana passada por grupos armados no distrito de Palma.
  • A informação é do Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês).
  • Mais de 9.100 pessoas - quase metade delas crianças - chegaram aos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba, afirmou o Escritório em atualização na última sexta (2)
Duas mulheres caminham em um campo de refugiados em Cabo Delgado, Moçambique (arquivo)
Duas mulheres caminham em um campo de refugiados em Cabo Delgado, Moçambique (arquivo)

Milhares de pessoas da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, estão em deslocamento na busca por segurança, uma vez que a situação no local permanece volátil, após os ataques brutais da semana passada por grupos armados no distrito de Palma. A informação é do Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês).

Mais de 9.100 pessoas - quase metade delas crianças - chegaram aos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba, afirmou o Escritório em atualização na última sexta (2), acrescentando que cerca de dois terços dos que chegam estão hospedadas com famílias anfitriãs, “que generosamente abriram suas casas para quem fugia da violência”.

“Outros milhares estão se deslocando pela floresta em busca de segurança e devem chegar a diferentes locais nos dias que sucedem”, acrescentou o informe. 

De acordo com o OCHA, os atentados de Palma, iniciados em 24 de março, desalojaram muitos dos que ali se abrigavam após terem fugido do conflito em outras partes de Cabo Delgado.

Antes da violência da semana passada, quase 670 mil  pessoas - incluindo cerca de 160 mil mulheres e meninas adolescentes, assim como 19 mil grávidas - foram abandonadas nas províncias de Cabo Delgado, Niassa e Nampula, a grande maioria delas vivendo com famílias anfitriãs, cujos recursos escassos estão se esgotando.

Impacto severo - A alta violência em Cabo Delgado também afetou severamente os serviços de saúde, colocando em risco cerca de 950 mulheres grávidas abandonadas sem acesso a um parto seguro e serviços de cuidados obstétricos de emergência, de acordo com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Também existem grandes preocupações de que milhares de mulheres possam necessitar de cuidados em resposta à violência sexual e de gênero, acrescentou o UNFPA.

Resposta humanitária - Agências e parceiros da ONU, em estreita coordenação com o governo, aumentaram o apoio aos refugiados, distribuindo alimentos, cobertores, colchões e kits de aprendizado, além de fornecer apoio médico e psicossocial aos necessitados.

As agências de proteção também estão analisando os recém-chegados para identificar os mais vulneráveis e apoiando as autoridades com encaminhamentos necessários.

O Serviço Aéreo Humanitário da ONU, operado pelo Programa Mundial de Alimentos, continua apoiando os esforços de evacuação, tendo transportado por via aérea mais de 380 pessoas para um local seguro até o dia 31 de março. No dia 1º de abril, um barco que transportava 1.300 pessoas chegou à cidade de Pemba (cerca de 280 quilômetros ao sul de Palma), onde agências da ONU e parceiros estiveram presentes para oferecer assistência.

O governo também estabeleceu um ponto de passagem e as agências e parceiros da ONU estão apoiando os esforços de reunificação de famílias.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OCHA
Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários
UNFPA
Fundo das Nações Unidas para a População