Agência da ONU pede ações para reverter perdas no setor de turismo

  • A crise global causada pela COVID-19 teve um impacto arrasador também sobre o turismo internacional. Dados da Organização Mundial do Turismo (OMT) revelam que houve uma queda de 87% no número de chegadas internacionais em janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período do ano anterior. 
  • Para a OMT, uma coordenação mais forte dos protocolos de viagens entre os países pode garantir o reinício seguro do turismo e evitar mais um ano de perdas massivas para o setor. 
Turistas, como estes no aeroporto de Bangkok, ainda enfrentam muitas restrições de viagem devido às medidas de controle da pandemia.
Turistas, como estes no aeroporto de Bangkok, ainda enfrentam muitas restrições de viagem devido às medidas de controle da pandemia.

A crise global causada pela COVID-19 teve um impacto arrasador também sobre o turismo internacional. Dados da Organização Mundial do Turismo (OMT) revelam que houve uma queda de 87% no número de chegadas internacionais em janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período do ano anterior. 

Para a OMT, uma coordenação mais forte dos protocolos de viagens entre os países pode garantir o reinício seguro do turismo e evitar mais um ano de perdas massivas para o setor. 

Após um final de 2020 difícil, o turismo global continua a registrar perdas e reduções no início deste ano, na medida em que os países aumentaram as restrições de viagens em resposta a novas fases de contaminação com a COVID-19. 

De acordo com a agência da ONU, a queda drástica nas chegadas de turistas afetou todos os países. Testes obrigatórios contra COVID-19, quarentenas e, em alguns casos, o fechamento completo das fronteiras, dificultaram a retomada das viagens.  

Além disso, a velocidade e a distribuição da vacinação têm sido mais lentas do que o esperado. 

Medidas urgentes 

Para a OMT, a comunidade internacional precisa tomar medidas urgentes para garantir um ano com melhores resultados, já que muitas pessoas e empresas dependem do setor para sobreviver. 

A região da Ásia-Pacífico continua a ter o maior nível de restrições a viagens e registrou a maior redução nas chegadas internacionais em janeiro: 96%. Europa e África tiveram queda de 85% nas chegadas, enquanto o Oriente Médio sofreu uma redução de 84%.  

As chegadas internacionais nas Américas também diminuíram 77% em janeiro, após resultados um pouco melhores no último trimestre do ano. 

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, disse que também é essencial haver uma melhor coordenação entre os países e protocolos harmonizados de viagens e saúde para restaurar a confiança no turismo e permitir a retomada com segurança antes do auge da temporada de verão no Hemisfério Norte. 

Destinos fechados 

Com 32% de todos os destinos globais ainda completamente fechados para turistas no início de fevereiro, a OMT espera um primeiro semestre de desafios no setor. 

As chegadas internacionais devem baixar cerca de 85% já no primeiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2019. Isso representaria uma perda de cerca de 260 milhões de chegadas internacionais se comparado ao período antes da pandemia. 

A OMT traçou dois cenários para este ano, que considera uma possível retomada das viagens internacionais no segundo semestre.  Eles são baseados numa série de fatores, como suspensão das restrições de viagem, o sucesso dos programas de vacinação ou a introdução de protocolos harmonizados, como o Certificado Verde Digital planejado pela Comissão Europeia. 

O primeiro cenário aponta para uma recuperação em julho, que resultaria em um aumento de 66% nas chegadas internacionais para o ano de 2021 em comparação com as mínimas históricas de 2020. Neste caso, as chegadas ainda estariam 55% abaixo dos níveis registrados em 2019.  

O segundo cenário considera uma potencial recuperação em setembro, levando a um aumento de 22% nas chegadas em relação ao ano passado. Ainda assim, seria 67% abaixo dos níveis de 2019.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OMT
Organização Mundial do Turismo