OIT: COVID-19 impõe novos desafios à segurança no trabalho

  • O número de trabalhadores em casa em todo o mundo aumentou com a pandemia da COVID-19, colocando um novo foco na necessidade dos empregadores de garantir que seus funcionários estejam trabalhando em um ambiente seguro.
  • Um estudo recente da OIT descobriu que 41% das pessoas que trabalhavam em casa se consideravam altamente estressadas, em comparação com 25% das que trabalhavam presencialmente.
  • Enquanto parte dos trabalhadores ficavam em casa, uma grande parte da força de trabalho global não teve escolha a não ser ir para um local físico de trabalho. Os novos riscos de exposição ao vírus impuseram novos desafios aos locais e relações de trabalho. Com a reabertura gradual de outros setores, governos e empregadores, em colaboração com os trabalhadores, precisarão se certificar de que os trabalhadores de todos os setores estão seguros.
Vendedores em uma padaria em Constantina, na Argélia, durante a crise da COVID-19.
Vendedores em uma padaria em Constantina, na Argélia. Muitos trabalhadores precisam continuar se deslocando até seus postos de trabalho durante a crise sanitária

O mundo do trabalho foi revirado pela COVID-19 e os efeitos provavelmente serão duradouros. Antes da pandemia, havia cerca de 260 milhões de trabalhadores em casa (sem incluir trabalhadores domésticos ou cuidadores). A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que esse número pode ter dobrado, com até um em cada três trabalhadores trabalhando remotamente na América do Norte e na Europa e um em cada seis na África Subsaariana.

A aplicação de vacinas, principalmente no mundo desenvolvido, aumentou as possibilidades de um retorno ao local de trabalho, mas muitas empresas e trabalhadores sinalizaram o desejo de manter uma parte do trabalho em casa, depois de ver alguns dos benefícios. Para os empregadores, isso inclui minimizar o risco de contágio e, potencialmente, gastar menos em escritórios caros, enquanto os funcionários não precisam mais se deslocar para ir e voltar do local de trabalho.

Saúde mental - No entanto, enquanto alguns estão gostando de assar pão ou dar um passeio durante uma teleconferência e usar o tempo de deslocamento para se entregar a novas atividades, outros desejam um retorno a uma rotina de trabalho mais estruturada.

“Digo a mim mesmo diariamente que sou grato por ter um trabalho com supervisores e colegas compreensivos. Mas tudo isso é difícil. Se você também é uma mãe que trabalha e perde a cabeça diariamente, saiba que estou com você”, diz Paulina, uma teletrabalhadora que mora em Nova York.

“Eu presidi reuniões com um laptop e fones de ouvido em um dos lados de uma pequena cozinha da cidade de Nova York enquanto preparava o almoço e tinha uma criança gritando enrolada em meus tornozelos. Embora tudo isso seja fofo uma ou talvez duas vezes, gritos regulares de crianças ao fundo só podem ser tolerados por algum tempo. Eu deveria saber, porque eu ultrapassei esse limite em algum momento de julho”, contou.

Histórias como essa explicam por que um estudo recente da OIT descobriu que 41% das pessoas que trabalhavam em casa se consideravam altamente estressadas, em comparação com 25% das que trabalhavam presencialmente.

Um pai cuida do filho pequeno enquanto trabalha de casa em Madagascar.
Um pai cuida do filho pequeno enquanto trabalha de casa em Madagascar.

“A forma mais eficaz de eliminar o risco de contágio em contexto de trabalho é, para quem pode fazê-lo, o teletrabalho”, afirma o responsável pela segurança e saúde no trabalho da OIT, Joaquim Nunes, “Mas ainda temos de estar atentos aos bem-estar físico e mental dos trabalhadores”.

Como o teletrabalho provavelmente continuará sendo um fator importante no trabalho de muitas pessoas, Nunes diz que as políticas relacionadas ao trabalho terão de ser atualizadas para refletir a nova realidade.

“Há uma boa chance de que o aumento do teletrabalho durante a pandemia da COVID-19 mude permanentemente a forma como vivemos e trabalhamos. Muitos governos perceberam isso e estão olhando com outros olhos os direitos dos funcionários que trabalham em casa. Por exemplo, as empresas devem garantir que os trabalhadores não se sintam isolados e ao mesmo tempo dando a eles o direito de se desconectarem, em vez de ficarem online 24 horas por dia”, afirma o especialista da OIT.

No Chile, uma lei aprovada no início de março de 2020 aborda de alguma forma algumas dessas preocupações. A legislação reconhece o direito dos trabalhadores remotos de se desconectarem por pelo menos 12 horas contínuas em um período de 24 horas. Além disso, os empregadores não podem exigir que os trabalhadores respondam às comunicações em dias de descanso ou feriados.

Uma casa saudável - Além da questão de conforto e saúde mental, está a segurança física. Costuma-se dizer que a maioria dos acidentes acontece em casa, então, se é aqui que se passa grande parte da semana de trabalho, os empregadores deveriam ser responsáveis ​​por garantir que os apartamentos não sejam uma armadilha mortal?

“Por enquanto, não há respostas fáceis quando se trata de garantir um ambiente de home office adequado”, diz Nunes. “No entanto, podemos dizer que os mesmos princípios que se aplicam a outros locais de trabalho, se aplicam aos teletrabalhadores, sendo que os empregadores têm o dever geral de cuidar, conforme razoavelmente praticável. Os empregadores não podem controlar o local de trabalho quando os funcionários trabalham de casa, mas podem fornecer equipamentos ergonômicos aos trabalhadores, como cadeiras adequadas, e ajudá-los a avaliar os próprios riscos e aprender como manter estilos de vida saudáveis”.

O teletrabalho também é um desafio para as agências de fiscalização, já que normalmente os inspetores não têm acesso liberado aos espaços privados. Uma solução para garantir o cumprimento da legislação poderia ser as inspeções virtuais, que já estão ocorrendo nos países nórdicos de forma voluntária. “Isso envolve os fiscais do trabalho que fazem videochamadas com o trabalhador em casa e mostram a cadeira de trabalho, a mesa e a configuração da iluminação”, explica Nunes. “Essas inspeções podem servir como uma forma de monitorar o local de trabalho doméstico e fornecer conselhos, mas também levantam questões compreensíveis de privacidade”.

Medos da linha de frente - Enquanto os novos teletrabalhadores e seus empregadores lutavam com sua nova realidade, uma grande parte da força de trabalho global não teve escolha a não ser ir para um local físico de trabalho. As dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores da saúde foram amplamente relatadas, mas os funcionários de vários outros setores tiveram que enfrentar a viagem para o local de trabalho - às vezes em trens e ônibus lotados - e, muitas vezes, interagir com outras pessoas, com risco considerável para sua saúde.

Nos Estados Unidos, esses medos levaram a uma ação coletiva dos trabalhadores da Whole Foods, uma mercearia subsidiária da Amazon. Em 31 de março de 2020, em resposta ao resultado do teste positivo de seus colegas com COVID-19, os trabalhadores decidiram pedir licença médica e exigir licença médica, teste de coronavírus gratuito e pagamento por periculosidade. Isso foi seguido em abril por paralisações do trabalho em algumas das maiores empresas dos EUA, incluindo Walmart, Target e FedEx.

Embora os primeiros conselhos sobre proteção e prevenção se concentrassem em medidas como lavagem das mãos, uso de máscaras, luvas e distanciamento físico, a OIT percebeu rapidamente que era preciso fazer mais para tratar de questões relacionadas ao trabalho.

“No local de trabalho, é preciso pensar mais do que apenas o trabalhador individual: é preciso proteger todo o ambiente”, explica Nunes. “Um exemplo que muitos de nós nos deparamos são lojas e supermercados, onde agora é comum ver separadores de PVC entre caixas e clientes. As superfícies de trabalho também estão sendo limpas com muito mais frequência, mas isso levanta outras questões que precisam ser abordadas, como o potencial de problemas de pele ou respiratórios causados ​​por produtos químicos em produtos de limpeza”.

Embora áreas como saúde e varejo tenham lutado com esses problemas por vários meses, outras partes da economia podem se abrir em breve. Em vários países, estão sendo feitos planos para permitir que ocorram encontros de um grande número de pessoas, em locais como salas de concerto e cinemas, e, com o início do verão no hemisfério norte, a gama de atividades turísticas permitidas parece pronta para se expandir.

No entanto, para que isso aconteça e para que as economias se abram com segurança, governos e empregadores, em colaboração com os trabalhadores, precisarão se certificar de que os trabalhadores desses e de todos os outros setores estão seguros nos próprios locais de trabalho e confiantes de que não o farão ser exposto a riscos desnecessários, particularmente a aqueles relacionados à COVID-19.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OIT
Organização Internacional do Trabalho