Escritório de direitos humanos da ONU está preocupado com massacre na Colômbia

  • O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos na América Latina (ACNUDH) expressou nesta terça-feira (4) profunda preocupação sobre a violência na cidade de Cali, na Colômbia, durante a noite, já que várias pessoas foram supostamente mortas e feridas quando a polícia ateou fogo contra os manifestantes.
  • A porta-voz Marta Hurtado disse que o escritório do ACNUDH na Colômbia está trabalhando para verificar o número exato de vítimas e confirmar como o incidente ocorreu em Cali. “Estamos profundamente alarmados com os acontecimentos e expressamos nossa solidariedade com aqueles que perderam suas vidas, como com os feridos e suas famílias”, disse.
Cidade de Cali, Colômbia.
Cidade de Cali, Colômbia.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos na América Latina (ACNUDH) expressou nesta terça-feira (4) profunda preocupação sobre a violência na cidade de Cali, na Colômbia, durante a noite, já que várias pessoas foram supostamente mortas e feridas quando a polícia ateou fogo contra os manifestantes.

A porta-voz Marta Hurtado disse que o escritório do ACNUDH na Colômbia está trabalhando para verificar o número exato de vítimas e confirmar como o incidente ocorreu em Cali.

“Estamos profundamente alarmados com os acontecimentos e expressamos nossa solidariedade com aqueles que perderam suas vidas, como com os feridos e suas famílias”, disse.

A porta-voz contou ainda que os defensores dos direitos humanos também relataram ter sido perseguidos e ameaçados.

Os protestos, que começaram na quarta-feira passada (28) com uma greve geral em função das reformas tributárias propostas, continuaram apesar do anúncio da presidência colombiana no domingo (2) de que o projeto de reforma seria retirado do Congresso. Além disso, o Ministro da Fazenda também teria renunciado.

De acordo com o ACNUDH, a maioria dos protestos até agora foram pacíficos, mas recebeu denúncias de pelo menos 14 mortes em diferentes partes da Colômbia, incluindo pelo menos um policial, desde o início das manifestações.

Também houve apelos para uma “manifestação massiva” na quarta-feira (5).

“Devido às tensões extremas, com soldados e policiais encarregados de controlar as manifestações, pedimos calma”, disse a porta-voz do ACNUDH.

Ela também lembrou as autoridades do Estado sua responsabilidade de proteger os direitos humanos, inclusive o direito à vida e à segurança pessoal, e de facilitar o exercício do direito à liberdade de reunião pacífica.

“Ressaltamos também que os policiais devem obedecer aos princípios de legalidade, precaução, necessidade e proporcionalidade ao policiar manifestações. Armas de fogo só podem ser usadas como medida de último recurso contra uma ameaça iminente à vida ou de ferimentos graves”.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
ACNUDH
Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos