Hospitalizações e mortes entre jovens por COVID-19 disparam, afirma diretora da OPAS

  • As hospitalizações e mortes entre jovens estão aumentando à medida que a pandemia de COVID-19 se acelera nas Américas, afirmou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.
  • “Adultos de todas as idades - incluindo jovens - estão ficando gravemente doentes. Muitos deles estão morrendo”, disse a diretora durante a coletiva de imprensa da OPAS nesta quarta-feira (5).
  • Segundo a diretora da OPAS, no Brasil, as taxas de mortalidade dobraram entre os menores de 39 anos, quadruplicaram entre os de 40 anos e triplicaram entre os de 50 anos entre dezembro de 2020 e março de 2021. 
Na última semana de abril, quase 40% de todas as mortes por COVID-19 no mundo ocorreram nas Américas.
Na última semana de abril, quase 40% de todas as mortes por COVID-19 no mundo ocorreram nas Américas.

As hospitalizações e mortes entre jovens estão aumentando à medida que a pandemia de COVID-19 se acelera nas Américas, afirmou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne.

“Adultos de todas as idades - incluindo jovens - estão ficando gravemente doentes. Muitos deles estão morrendo”, disse a diretora durante a coletiva de imprensa da OPAS nesta quarta-feira (5).

“No Brasil, as taxas de mortalidade dobraram entre os menores de 39 anos, quadruplicaram entre os de 40 anos e triplicaram entre os de 50 anos entre dezembro de 2020 e março de 2021”, continuou Etienne. “Isso é trágico e as consequências são terríveis para nossas famílias, nossas sociedades e nosso futuro.”

A diretora da OPAS enfatizou que as taxas de hospitalização entre pessoas com menos de 39 anos aumentaram mais de 70% no Chile durante os últimos meses. No Brasil, as hospitalizações foram maiores entre pessoas na faixa dos 40 anos. “Em algumas áreas dos EUA, mais pessoas na faixa dos 20 anos estão sendo hospitalizadas por COVID-19 do que pessoas na faixa dos 70”, complementou.

“Durante grande parte da pandemia, nossos hospitais estiveram lotados de pacientes idosos com COVID-19, muitos dos quais tinham condições pré-existentes que os tornavam mais suscetíveis à doença grave”, observou a diretora da OPAS. “Mas olhem para as unidades de terapia intensiva em nossa região hoje. Vocês verão que estão cheias não apenas de pacientes idosos, mas também de pessoas mais jovens”.

Jovens saudáveis têm maior probabilidade de sobreviver, mas, se infectados, eles podem permanecer em hospitais por semanas. Como resultado, os países devem estar preparados para o aumento da demanda hospitalar.

“Se as infecções continuarem aumentando nessa taxa, esperamos que, nos próximos três meses, os países de nossa região precisem manter e até aumentar ainda mais a capacidade de leitos de UTI”, alertou Etienne.

Os países deveriam contratar e treinar mais profissionais de saúde e pessoal especializado, disse a diretora da OPAS. Os trabalhadores de saúde existentes devem ser apoiados “depois de operar em ‘modo de crise’ por tanto tempo”, acrescentou.

A diretora da OPAS que não dá para expandir a capacidade de UTIs indefinidamente. "Simplesmente não há profissionais de saúde suficientes para contratar e treinar a tempo. O que nos aponta de volta para a melhor opção: devemos todos nos comprometer novamente com uma resposta abrangente baseada na prevenção e em manter a atenção à saúde para COVID-19 e outras condições”.

Além disso, a diretora da OPAS afirmou que os países devem continuar com as medidas de saúde pública - distanciamento social, uso de máscaras e evitar encontros em espaços fechados. Os países devem “priorizar novamente os testes e rastreamento de contatos no nível de atenção primária”, disse ela. Campanhas de comunicação devem ser lançadas para lembrar aos mais jovens que eles precisam se proteger”.

Segundo Etienne, embora as vacinas estejam sendo lançadas o mais rápido possível, elas não são uma solução de curto prazo. "Não podemos confiar nas vacinas para reduzir as infecções quando não há vacinas suficientes para todos. Eles são uma parte da resposta abrangente que inclui a prevenção por meio de medidas de saúde pública e da melhoria da preparação dos sistemas de saúde".

Voltando-se ao número de vítimas da pandemia nas Américas, a diretora da OPAS observou: “Quase 40% de todas as mortes por COVID-19 notificadas no mundo na última semana de abril ocorreram em nossa região. Hoje, mais do que nunca, países da América Latina estão notificando mais de 1 mil casos de COVID-19 por dia”.

Etienne também informou que as infecções estão aumentando rapidamente nas Guianas e em toda a Argentina e Colômbia, “onde a contagem de casos semanais é cinco vezes maior do que no ano passado”. Na América Central, a Guatemala está experimentando um aumento significativo nas infecções, enquanto a Costa Rica está registrando um número recorde de infecções.

Porto Rico e Cuba estão causando infecções no Caribe, embora os casos também estejam aumentando em muitas ilhas menores. Quase 70% do total de casos de COVID-19 em Anguilla foram notificados nos últimos 10 dias. Após a erupção do vulcão La Soufriere, os casos estão aumentando em São Vicente e Granadinas entre os deslocados internos.

No total, mais de 1,3 milhão de pessoas foram infectadas com a COVID-19 nas Américas na última semana de abril e mais de 36 mil morreram de complicações relacionadas à COVID-19.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OPAS/OMS
Organização Pan-Americana da Saúde