Casa do Migrante em Santa Catarina recebe refugiados e migrantes venezuelanos

  • A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Associação Scalabrini a Serviço dos Migrantes inauguram a Casa do Migrante Scalabrini, gerenciada pelo Serviço Pastoral dos Migrantes de Santa Catarina. O intuito é acolher e dar suporte à integração dos venezuelanos com ações educativas e de inserção laboral.
  • A parceria prevê que o espaço receba beneficiários da estratégia de interiorização da Operação Acolhida, resposta humanitária do governo federal frente ao fluxo de venezuelanos no país.
  • A Casa do Migrante Scalabrini de Florianópolis oferece aos beneficiários acolhida integral, com alimentação, aulas de português e atendimento nas áreas de proteção e integração. Os venezuelanos acolhidos poderão ainda ser incluídos em atividades de integração socioeconômica.
A Casa do Migrante Scalabrini de Florianópolis oferece aos beneficiários acolhida integral, com alimentação, aulas de português e atendimento nas áreas de proteção e integração
Famílias como a da venezuelana Maluiz podem ficar na Casa por um período de até três meses. Para ela, a interiorização e a chegada à Casa do Migrante Scalabrini representam uma oportunidade para recomeçar sua vida.

Para apoiar refugiados e migrantes venezuelanos em Santa Catarina, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e a Associação Scalabrini a Serviço dos Migrantes inauguram a Casa do Migrante Scalabrini, gerenciada pelo Serviço Pastoral dos Migrantes de Santa Catarina. O intuito é acolher e dar suporte à integração dos venezuelanos com ações educativas e de inserção laboral.

A parceria prevê que o espaço receba beneficiários da estratégia de interiorização da Operação Acolhida, resposta humanitária do governo federal frente ao fluxo de venezuelanos no país. A interiorização, que leva voluntariamente pessoas refugiadas e migrantes da Venezuela de Roraima e de Manaus para outras cidades do Brasil, ajuda a reduzir a pressão sobre comunidades locais, minimizando o impacto sobre os serviços e infraestruturas públicas na região Norte.

A Casa do Migrante Scalabrini de Florianópolis oferece aos beneficiários acolhida integral, com alimentação, aulas de português e atendimento nas áreas de proteção e integração. Os venezuelanos acolhidos poderão ainda ser incluídos em atividades de integração socioeconômica.

Famílias como a da venezuelana Maluiz podem ficar na Casa por um período de até três meses. Para ela, que chegou ao Brasil pelo estado de Roraima com o marido e os filhos, a interiorização e a chegada à Casa do Migrante Scalabrini em Florianópolis representam uma oportunidade para recomeçar sua vida, sobretudo no contexto da pandemia de COVID-19.

“Agora que meu marido conseguiu um trabalho é o primeiro passo, meu filho mais velho também quer trabalhar e assim vamos conseguindo as coisas aos pouquinhos, um passo de cada vez. Na Casa, recebemos auxílio para fazer inscrição na escola do município da região do vale do Itajaí para onde iremos”, afirma Maluiz, que já está com a mudança organizada para a cidade onde o marido irá trabalhar na construção civil.

A parceria ao nível global entre a OIM e a Rede Internacional Scalabriniana de Migrações teve início em 2011 e desde então as organizações têm colaborado em diversos países do mundo na promoção e defesa dos direitos dos migrantes. No Brasil, o apoio à Casa Migrante Scalabrini em Florianópolis é um dos primeiros projetos conjuntos da OIM e da rede scalabriniana.

“Estamos muito contentes com a visibilidade para a Casa de Acolhida e a excelente articulação conjunta com o Seminário Pastoral Nacional e essa espetacular parceria com a OIM que desde já esperamos renovar”, destaca coordenador da Pastoral dos Migrantes da Arquidiocese de Florianópolis, Padre Marcos Bubniak. “Priorizamos a acolhida digna, trabalhamos para explicar as normas para uma boa convivência e nossa presença é efetiva, cada um na sua área, não deixamos faltar nada para os migrantes. Essa parceria tem tudo para dar certo”, conclui.

Desde 2018, a OIM tem apoiado casas de acolhida e de passagem em todo Brasil para melhor receber os venezuelanos que participam da interiorização. De acordo com o coordenador de projetos da OIM, Guilherme Otero, “a parceria com a Rede Scalabriniana no Brasil vem em um momento muito delicado da pandemia, e é fundamental seguir apoiando a estratégia de interiorização e a integração destes refugiados e migrantes no Brasil, de forma segura e abrangente”.

O apoio da OIM nesta iniciativa é financiado pelo Escritório de População, Refúgio e Migração dos Estados Unidos (PRM).

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
OIM
Organização Internacional para as Migrações