América Latina e Caribe podem perder oportunidade histórica de investir em recuperação sustentável

  • Uma plataforma de rastreamento apoiada pelo PNUMA revelou que, em termos de gastos pós-COVID-19 ambientalmente sustentáveis, a América Latina e o Caribe estão  atrás do resto do mundo. 
  • 0,5% dos gastos totais e 2,2% dos gastos de recuperação de longo prazo na região foram ecologicamente corretos em 2020, em comparação com 2,8% e 19,2% globalmente.
  • De acordo com a plataforma, uma maior proporção do orçamento de recuperação da região foi gasta em setores insustentáveis (US $ 7,4 bilhões) do que em iniciativas ambientalmente sustentáveis (US $ 1,5 bilhão). 
  • A América Latina e o Caribe foram severamente afetados pela COVID-19. Abrigando 8% da população mundial, a região reportou cerca de 29% das mortes pela pandemia.
Apenas seis dos 33 países da região dedicaram mais de 0,1% de seu PIB aos gastos de recuperação

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) apoiou uma nova plataforma de rastreamento que apresenta dados em tempo real dos 33 países da América Latina e do Caribe. O mapeamento revelou que, em termos de gastos pós-COVID-19 ambientalmente sustentáveis, a América Latina e o Caribe ficam atrás do resto do mundo. 0,5% dos gastos totais e 2,2% dos gastos de recuperação de longo prazo na região foram ecologicamente corretos em 2020, em comparação com 2,8% e 19,2% globalmente.

A ferramenta é baseada no Observatório de Recuperação Global – uma iniciativa liderada pelo Projeto de Recuperação Econômica da Universidade de Oxford (OUERP, da sigla em inglês), e apoiada pelo  PNUMA, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a GIZ, por meio da Rede de Política Fiscal Verde (GFPN, da sigla em inglês).

Índices alarmantes - A plataforma revelou que apenas seis dos 33 países da região dedicaram mais de 0,1% de seu PIB aos gastos de recuperação. Um pequeno número alocou uma proporção significativa de seus orçamentos para esforços pós-COVID-19, incluindo Chile (14,9%), São Cristóvão e Névis (13,3%), Santa Lúcia (11,3%), Bolívia (10,5%) e Brasil (9,26%).

A análise de mais de 1.100 políticas mostra que aproximadamente 77% do orçamento de recuperação total da região de US $ 318 bilhões foi alocado para medidas de resgate que abordam ameaças de curto prazo e salvamento de vidas, enquanto apenas 16,1% se concentraram, até agora, em planos de recuperação de longo prazo para revitalizar a economia, dada a capacidade limitada de gastos de muitos dos países da região. Em média, a América Latina e o Caribe alocaram US $ 490 em despesas per capita para a recuperação pós-COVID-19, em comparação com US $ 650 em Mercados Emergentes e Economias em Desenvolvimento e US $ 12.700 em economias avançadas.

Epicentro da pandemia - A América Latina e o Caribe foram severamente afetados pela COVID-19. Abrigando 8% da população mundial, a região reportou cerca de 29% das mortes pela pandemia, enquanto se estima que, em 2020, a região teve uma contração do PIB de 7%.

“Aplaudo a iniciativa dos ministros da América Latina e do Caribe de acompanhar o progresso em busca de recuperações mais verdes. Nosso rastreador mostra que, de modo geral, os gastos verdes da região ainda não correspondem à gravidade da tripla crise planetária de mudança climática, perda de biodiversidade e poluição”, disse Piedad Martin, diretora em exercício do Escritório Regional do PNUMA para América Latina e Caribe. 

“Para fazer a transição para economias mais sustentáveis e inclusivas, as nações da região devem construir a partir desse bom começo de rastreamento para alinhar ainda mais suas prioridades de desenvolvimento com a recuperação verde”, completa a diretora.

Até o momento, de acordo com a plataforma, uma maior proporção do orçamento de recuperação da região foi gasta em setores insustentáveis (US $ 7,4 bilhões) do que em iniciativas ambientalmente sustentáveis (US $ 1,5 bilhão). Cerca de 74% dos gastos ambientalmente negativos foram direcionados para infraestrutura de energia fóssil, 13% para infraestrutura insustentável de portos e aeroportos, que deve levar a um aumento nas emissões de carbono.

“A situação da região é desastrosa, a resposta à pandemia está nos levando a um aumento do endividamento, limitando nossa capacidade de direcionar investimentos para a sustentabilidade ambiental. No entanto, colocar a ação climática como o motor da recuperação nunca foi tão importante. Nossa sobrevivência e a competitividade da região estão em jogo devido às mudanças climáticas”, disse a Ministra de Meio Ambiente e Energia da Costa Rica, Andrea Meza, que irá presidir a XXIII Reunião do Fórum de Ministros do Meio Ambiente em 2022. 

“Apelo aos governos, à comunidade internacional e ao setor privado para apoiar a América Latina e o Caribe na resposta a essa crise por meio de investimentos que nos permitam cumprir o Acordo de Paris”.

Oportunidades-chave - As chances de alto impacto para a região são inúmeras e requerem uma combinação de medidas políticas. Oportunidades-chave estão à espera na energia sustentável, em particular energia renovável não convencional e eficiência energética; investimentos em transporte com emissão zero – com foco especial no transporte público –; investimentos em soluções baseadas na natureza para garantir a adaptação em setores-chave, como agricultura e centros urbanos, onde vive a maior parte da população.

“A região está em uma encruzilhada econômica. Ou os governos continuam a apoiar as indústrias antigas e moribundas do passado ou investem em indústrias sustentáveis que impulsionarão a prosperidade futura. As novas oportunidades econômicas para a região são monumentais e líderes sábios as abraçarão”, disse Brian O’Callaghan, pesquisador-chefe do Projeto de Recuperação Econômica da Universidade de Oxford.  

Contato para a imprensa:

Contatos para a imprensa
Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
PNUMA
Programa das nações Unidas para o Meio Ambiente