Notícias

Mali vive 'momento crucial' e tem futuro democrático em risco, alerta chefe de missão da ONU

21 junho 2021

Soldados da paz da ONU em patrulha no Setor Leste do Mali

Foto: © Soldados de paz da ONU em patrulha no Setor Leste do Mali

O chefe da Missão de Estabilização Integrada Multidimensional da ONU em Mali (MINUSMA), El-Ghassim Wane, apresentou um informe ao Conselho de Segurança na última segunda-feira (14). Segundo Wane, a situação de segurança no Mali é mais preocupante do que nunca e uma ação imediata é exigida agora para iniciar reformas cruciais e estabelecer as bases para eleições confiáveis no país.

Os 15 membros do Conselho ouviram, via videoconferência, que o golpe de 24 de maio - o segundo golpe de Estado em menos de dez meses no país - lançou uma sombra sobre os esforços para restaurar um governo democrático e eleito.

Uma abordagem inclusiva, um forte líder maliense e um compromisso político são todos ingredientes vitais para o sucesso das reformas, junto de um auxílio firme vindo dos parceiros internacionais como a União Africana e a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental, informou Wane.

Instabilidade frequente - “Mali está em uma conjuntura crítica e nós não podemos permitir que deslize para mais instabilidade com drásticas consequências para a sub-região e arredores”, disse o representante da ONU.

Segundo Wane, tanto o presidente e quanto o primeiro-ministro do governo em transição, coronel Assimi Goïta e Choguel Maiga, disseram que respeitarão um calendário de transição que prevê eleições até fevereiro de 2022 e que não serão candidatos. Eles também se comprometeram a trabalhar com movimentos armados para acelerar a implementação do acordo de paz de 2015 no Mali.

‘Ação concreta’ - “Estes compromissos agora precisam se traduzir em ações urgentes e concretas, o que requer a contribuição construtiva de todos as partes envolvidas malinesas'', disse o chefe da MINUSMA.

“É chegado o tempo dos líderes malineses se erguerem acima do partidarismo político e dos interesses pessoais e trabalharem juntos de forma séria para enfrentar a crise em interesse de seu país e de seu futuro”, completou.

Sob esse aspecto, o apoio da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali permanecerá crucial, enfatizou.

Voltando à situação de segurança, afirmou que essa continua a ser uma grande preocupação no norte e centro do país, com um impacto devastador na rotina dos civis.

Já há mais malineses refugiados agora do que durante o pico da crise em junho de 2013, com muitas pessoas vivendo em condições muito difíceis. 

Escolas fechadas - Wane chamou atenção aos relatos profundamente perturbadores de violações dos direitos humanos, acrescentando que as ameaças de grupos armados forçaram quase metade das escolas no centro do país a fechar. 

Muitas pessoas desejam que a MINUSMA faça mais e isso é compreensível, disse o chefe da Missão. Ele afirmou que em partes remotas do país, há pouca ou nenhuma presença do Estado – deixando a missão da ONU como a única provedora de segurança e outros serviços básicos. No entanto, a Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização do Mali não tem condições de cumprir a todas as expectativas das populações locais.

Wane contou que a missão está intensificando seus esforços para informar melhor os malineses sobre seu trabalho, enquanto também incentiva uma ação mais centrada e abordagem orientada nas pessoas. Isso inclui um plano de ação para o centro do Mali, chamado An Ka Baro Kè (Vamos Conversar Juntos), que focalizará na promoção do engajamento político; aumentar a proteção de civis; fomentar o envolvimento da comunidade; coesão social e reconciliação; e facilitar o retorno da administração e dos serviços do Estado.

Mali vive 'momento crucial' e tem futuro democrático em risco, alerta chefe de missão da ONU

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

MINUSMA
United Nations Multidimensional Integrated Stabilization Mission in Mali

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa