Notícias

19 mil crianças atravessaram a fronteira entre Colômbia e Panamá EUA em 2020

14 outubro 2021

Quase 19 mil crianças migrantes passaram pela selva de Darién até agora neste ano. É um recorde histórico, quase três vezes mais do que o número registrado nos cinco anos anteriores combinados. 

A região separa a Colômbia do Panamá e é um dos lugares mais perigosos para os migrantes que tentam chegar à América do Norte.

Na densa floresta tropical, famílias de migrantes com crianças estão particularmente expostas à violência, incluindo abuso sexual, tráfico e extorsão por parte de gangues criminosas. 

As crianças que cruzam a selva de Darién também correm o risco de contrair diarreia, doenças respiratórias, desidratação e outras doenças que exigem atenção imediata. “Cada criança que cruza a selva de Darién a pé é uma sobrevivente”, disse Jean Gough, diretora-regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe.

Mais de um em cada cinco migrantes que cruzam a fronteira entre a Colômbia e o Panamá é criança. Metade delas tem menos de 5 anos.

Legenda: Em 2021, pelo menos cinco crianças foram encontradas mortas na selva
Foto: © Moreno Gonzalez/UNICEF

O número de crianças migrantes que cruzam a selva de Darién a pé atingiu um recorde histórico, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) na segunda-feira (11). A região separa a Colômbia do Panamá e é um dos lugares mais perigosos para os migrantes que tentam chegar à América do Norte.

Quase 19 mil crianças migrantes passaram pela selva de Darién até agora neste ano, quase três vezes mais do que o número registrado nos cinco anos anteriores combinados. Mais de um em cada cinco migrantes que cruzam a fronteira entre a Colômbia e o Panamá é criança. Metade delas tem menos de 5 anos.

Na densa floresta tropical, famílias de migrantes com crianças estão particularmente expostas à violência, incluindo abuso sexual, tráfico e extorsão por parte de gangues criminosas. As crianças que cruzam a selva de Darién também correm o risco de contrair diarreia, doenças respiratórias, desidratação e outras doenças que exigem atenção imediata.

“Cada criança que cruza a selva de Darién a pé é uma sobrevivente”, disse Jean Gough, diretora-regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe. 

“Nas profundezas da selva, roubos, estupros e tráfico de pessoas são tão perigosos quanto animais selvagens, insetos e a absoluta falta de água potável. Semana após semana, mais crianças estão morrendo, perdendo seus pais ou se separando de seus parentes durante essa jornada perigosa. É espantoso que grupos criminosos estejam se aproveitando dessas crianças quando são as mais vulneráveis”, completa a diretora-regional.

Em 2021, pelo menos cinco crianças foram encontradas mortas na selva. Desde o início deste ano, mais de 150 crianças chegaram ao Panamá sem os pais, algumas delas são bebês recém-nascidos – um aumento de quase 20 vezes em relação ao ano passado.

Na selva de Darién, a violência sexual é cada vez mais e intencionalmente usada por gangues criminosas como um instrumento de terror. Entre janeiro e setembro de 2021, o UNICEF registrou 29 denúncias de abuso sexual de meninas adolescentes durante a viagem. Muitas outras mulheres relataram abuso sexual.

“Nunca antes nossas equipes em campo viram tantas crianças cruzando a selva de Darién – muitas vezes desacompanhadas. Esse fluxo crescente de crianças que se dirigem ao norte partindo da América do Sul deve ser tratado com urgência como uma grave crise humanitária por toda a região, além do Panamá”, disse Gough.

Atuação do UNICEF - Migrantes com mais de 50 nacionalidades, vindos de lugares tão distantes como a África e a Ásia Meridional, estão usando essa rota a caminho dos Estados Unidos. Metade dos migrantes é do Haiti; muitos dos quais têm filhos e filhas nascidos no Chile ou no Brasil. Na Colômbia, o UNICEF e seus parceiros estão ajudando com serviços de água, saneamento e higiene, especialmente nas áreas do cais de Necocli, onde mais de mil pessoas, incluindo crianças, aguardam alternativas de transporte para o Panamá. O UNICEF também está trabalhando com as autoridades locais para identificar crianças desacompanhadas e separadas por meio de unidades móveis.

No Panamá, o UNICEF e seus parceiros estão fornecendo apoio psicossocial e serviços de saúde a crianças migrantes, especialmente aquelas que foram separadas de seus pais. As equipes do Fundo também auxiliam no encaminhamento de crianças vítimas de violência para os serviços de proteção locais.

Junto com o governo do Panamá, o UNICEF está distribuindo água todos os dias para mil pessoas e kits de higiene para meninas e mulheres adolescentes migrantes nos três centros de recepção de migrantes em Bajo Chiquito, Lajas Blancas e San Vicente.

Como o número de crianças e famílias migrantes na selva de Darién deverá aumentar ainda mais nas próximas semanas e meses, o UNICEF está intensificando sua resposta humanitária para atender às necessidades urgentes de crianças e famílias em trânsito no Panamá e na Colômbia.

Com o apoio do Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos EUA e das Operações de Proteção Civil e Ajuda Humanitária (Echo) da Comissão Europeia, AS equipes e parceiros no local visam aumentar a prestação de serviços essenciais, como acesso a saúde, água, higiene e saneamento, proteção, apoio psicossocial e nutrição.

O UNICEF apela aos governos para que garantam a proteção das crianças em trânsito ao longo de sua jornada e coordenem a implementação de uma resposta humanitária mais robusta em todos os países envolvidos. A integração das famílias migrantes nas comunidades de acolhimento deve ser promovida e as causas profundas que as levam a migrar devem ser abordadas.

Contatos para a imprensa:

  • Elisa Meirelles Reis, Oficial de Comunicação UNICEF Brasil / Telefone: (61) 98166 1649 / E-mail: ereis@unicef.org
  • Ester Correa Coelho, Oficial de Comunicação UNICEF Brasil / Telefone: (61) 99122 8671 / E-mail: escorrea@unicef.org

19 mil crianças atravessaram a fronteira entre Colômbia e Panamá EUA em 2020

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa