Notícias

Refugiado congolês participa da Virada Cultural de Belo Horizonte

15 outubro 2021

O congolês Lavi Kasongo irá participar do Festival Verbo Gentileza, que integra a programação da Virada Cultural de Belo Horizonte, que acontece nos dias 16 e 17 de outubro.

A exposição “Bandeiras da Revolução”, que reúne criações de Lavi e outros nomes da cena artística, faz parte do evento.

Para a exibição, cada artista irá criar uma bandeira de grande porte, de 1,4mx10m, que estará exposta No MUMO – Museu da Moda do dia 16 de outubro até o dia 1º de novembro.

Legenda: Evento tem participação gratuita e conta ampla diversidade artística
Foto: © Giovanny Sá

Neste final de semana, o congolês Lavi Kasongo irá participar do Festival Verbo Gentileza, que integra a programação da Virada Cultural de Belo Horizonte nos dias 16 e 17 de outubro, de forma híbrida e gratuita.

Faz parte do Festival a exposição “Bandeiras da Revolução”, que reúne criações de Lavi e outros nomes da cena artística, como Aislan Pankaru, Ariel (artista invisual) e Dias Brasil (artista visual) e Efe Godoy. Cada artista irá criar uma bandeira de grande porte, de 1,4mx10m, que estará exposta No MUMO – Museu da Moda, até o dia 1º de novembro. “Eu quero que essa bandeira represente a paz”, disse Lavi Kasongo durante o processo criativo que realizou em conjunto com Aislan Pankaru, artista indígena do povo Pankararu.

“É muito potente realizar o encontro dessas histórias, uma artista invisual (cega) criando com uma artista transvestigenere não-binária, um artista médico do povo Pankaru trocando experiências com um artista expulso do Congo pela guerra civil. Por isso escolhi a Marjorie Yamaguti para idealizar e curar este encontro, por ser uma artista com uma visão de diversidade incrível. A nossa bandeira é a da gentileza, e gentileza vem de gente pra gente, da diversidade da nossa gente”, diz a idealizadora do Verbo Gentileza, Patrícia Tavares.

O projeto artístico foi desenvolvido por meio de uma oficina realizada para o Festival Verbo Gentileza 2021. “Proporcionar a troca dessas diferentes histórias potencializa essa exposição além do resultado da obra, é a partir de um ponto em comum, o encontro, que cada caminho pode se desenvolver de maneira diferente”, revela a curadora Marjorie Yamaguti. A exposição estreia no dia 16 de outubro, na programação da Virada Cultural de BH e as bandeiras compõem o Portal da Gentileza 2021 na cidade.

“No Verbo Gentileza deste ano tivemos participações incríveis, grandes insights e o conteúdo está riquíssimo. Será uma nova oportunidade de compartilhar esse material com o público e, ainda, trazer novidades”, explica Patrícia.

Para o representante do ACNUR no Brasil, Jose Egas, “ao conciliarmos a diversidade cultural com uma programação acessível, como acontece no Verbo Gentileza, o espaço de diálogo sobre a causa do refúgio se expande e torna possível a integração das pessoas refugiadas em suas mais diversas formas de expressão, inclusive artística”.

As Cores de Lavi Kasongo - Morando no Brasil desde 2015, Lavi conheceu a ONG Estou Refugiado enquanto vendia quadros na Praça da República, no centro de São Paulo. A ONG, que acolhe pessoas refugiadas com o objetivo de oferecer oportunidade no mercado de trabalho no país de acolhida, também tem incentivado a produção artística e integração cultural.

Em 2021 a Estou Refugiado criou o projeto Cores do Mundo a partir da ideia de promover artistas refugiados, que transformam espaços cedidos por empresas parceiras em telas coloridas. Composto por pintura de painéis e tapumes, o projeto, que começou em São Paulo, agora visa espalhar as cores das bandeiras para outros lugares do Brasil – a começar por Belo Horizonte.

A presidente da ONG, Luciana Capobianco, conta que a ideia é espalhar a arte feita por essas pessoas para que a mensagem chegue a outros públicos. “É uma oportunidade de trazer a presença da negritude dos refugiados de origem africana, da diversidade, de combater o preconceito através das cores”, afirma.

Conteúdo online - As apresentações artísticas, rodas de conversas e palestras poderão ser acessadas dentro da programação da Virada Cultural, dias 16 e 17 de outubro, pelo canal do YouTube da Fundação Municipal de Cultura de BH.

Sobre o Festival Verbo Gentileza - O Festival Verbo Gentileza está em sua 6ª edição com o propósito, cada vez mais claro, de juntar pessoas e ideias que contribuem para a transformação da sociedade. Sua missão é incorporar reflexões e ações que transformem o dia a dia das pessoas, gerando impacto positivo: social, cultural e ambiental. Conectar marcas a causas das cidades.

O Verbo Gentileza contempla, ainda, uma importante agenda social que colabora para o alcance dos  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Isso acontece por meio dos conteúdos propostos na programação ou por outras ações, como promover a conexão entre as empresas apoiadoras e os parceiros “gentis revolucionários”, que têm trabalhos de responsabilidade social, empreendedorismo, arte e cultura, entre outros.

O Festival é realizado por meio da Lei de Incentivo à Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, com iniciativa do Verbo Gentileza, patrocínio do Instituto Unimed-BH, viabilizado pelo incentivo de mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores, e apoio do Instituto Marum Patrus – IMAP, Patrus Transportes, Stella Artois, Hardy Design e Do Brasil Live.

Serviço

Refugiado congolês participa da Virada Cultural de Belo Horizonte

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ACNUR
Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa