Notícias

Projeto GEF Biogás Brasil participa de fórum especializado

26 abril 2022

O projeto GEF Biogás Brasil participou no 4º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano (4° FSBBB), realizado de 12 a 14 de abril, em Caxias do Sul (RS). O evento reuniu atores de toda a cadeia do biogás para debater o setor sob diversas perspectivas.

Além de realizar um minicurso presencial sobre o biogás e seus impactos para mais de 50 pessoas, o projeto GEF Biogás Brasil também foi responsável por conduzir o painel 5 do 4º FSBBB com apresentações sobre eficiência e inovação em plantas de biogás. 

O Projeto GEF Biogás Brasil é liderado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), implementado pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), e conta com o Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) como principal entidade executora.

Equipe do projeto GEF Biogás Brasil apresentou painel sobre eficiência e inovação em plantas de biogás.
Legenda: Equipe do projeto GEF Biogás Brasil apresentou painel sobre eficiência e inovação em plantas de biogás.
Foto: © UNIDO

O projeto GEF Biogás Brasil participou no 4º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano (4° FSBBB), realizado de 12 a 14 de abril, em Caxias do Sul (RS). O evento reuniu atores de toda a cadeia do biogás para debater o setor sob diversas perspectivas.

O Projeto GEF Biogás Brasil é liderado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), implementado pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), e conta com o Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) como principal entidade executora.

Além de realizar um minicurso presencial sobre o biogás e seus impactos para mais de 50 pessoas, o projeto GEF Biogás Brasil também foi responsável por conduzir o painel 5 do 4º FSBBB com apresentações sobre eficiência e inovação em plantas de biogás. O painel foi moderado pelo coordenador-geral de Tecnologias Setoriais do MCTI, Rafael Menezes, e pelo consultor da UNIDO e diretor de Desenvolvimento Tecnológico do CIBiogás, Felipe Marques.

O painel contou com apresentações dos consultores da UNIDO e especialistas do Projeto GEF Biogás Brasil Emilio Beltrami, Luis Colturato, Natalí Nunes, Nícolas Berhorst e Ricardo Muller. A plenária teve palestras sobre os impactos do projeto GEF Biogás Brasil na cadeia produtiva do biogás; abordagem Foresight de previsão de cenários e mobilização da governança territorial; impactos do projeto no setor da fecularia; Programa de Tropicalização; inovação e eficiência de plantas de biogás apoiadas pelo projeto como unidades de demonstração; e a ferramenta digital de planejamento executivo de projetos chamada BiogasInvest.

O representante adjunto da UNIDO para o Brasil e a Venezuela, Clovis Zapata, avalia que o fórum evidencia o crescimento do setor do biogás e sua relevância ambiental e econômica para o país.

“O evento foi muito interessante para demonstrar a relevância que o setor está ganhando no Brasil, especialmente com o aporte do setor privado. Muitas empresas de peso estiveram presentes e apresentaram instalações físicas muito interessantes, tecnologias novas”, conta o representante da UNIDO.

Ele também ressalta que a participação do projeto GEF Biogás Brasil foi importante para o fortalecimento do setor. “O projeto apresentou ferramentas que são importantes para o setor privado, para a academia e para os governos no sentido de fortalecer a cadeia do biogás e conduzir o setor para soluções que são economicamente viáveis e ambientalmente adequadas”.

Políticas públicas para biogás e biometano - O ano de 2022 conta com novidades nas políticas públicas voltadas para o setor de biogás e biometano. Em março, o governo federal assinou o Decreto nº 11.003, que institui a Estratégia Federal de Incentivo ao Uso Sustentável de Biogás e Biometano. A medida implementou o Programa Nacional de Redução de Emissões de Metano no Ministério do Meio Ambiente (MMA). Já no Ministério de Minas e Energia (MME), os investimentos em biometano foram incluídos no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura (REIDI).

O coordenador-geral de Tecnologias Setoriais do MCTI, Rafael Menezes, ressalta esses avanços: “Ficou evidente o quanto as pautas do biogás e do biometano evoluíram e se inseriram dentre as políticas públicas voltadas para o setor de energia e biocombustíveis”, e acredita que o 4º FSBBB trouxe ainda mais holofotes para o setor. “Eu acredito que o Fórum se consolida no setor como principal evento relacionado ao biogás e biometano no Brasil”.

Já o diretor-presidente do CIBiogás, Rafael González, constata que o aumento da relevância do biogás para o governo federal também é demonstrado pela participação do ministro de Minas e Energia, Joaquim Leite, e de representantes do MCTI, do MME e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) na quarta edição do Fórum. “Isso mostra a força e a relevância que o tema do biogás tem ganhado no país”, explicou. Ele destaca que os atores do setor já entendem o potencial do biogás sob o ponto de vista da energia elétrica, térmica e veicular, além dos fertilizantes e do potencial de descarbonização.

Para o diretor-presidente do CIBiogás, a apresentação do ministro do Meio Ambiente durante o Fórum trouxe perspectivas inovadoras que podem transformar a visão de descarbonização em uma visão de rentabilidade e de melhoria de condições, inclusive financeiras, para criar o mercado de carbono no Brasil. “Isso é uma nova oportunidade para o setor de biogás, pois é basicamente ter um valor adicionado à descarbonização que o biogás pode causar nos setores produtivos do país”, explica.

Futuros possíveis - “Uma área que faz os olhos brilharem e tem um futuro promissor”. Essa foi a definição dada para o setor do biogás pela estudante de Engenharia de Petróleo, Dhaiara Machida.

Cursando o 4° semestre na Universidade Federal de Pelotas (RS), a estudante foi para o Fórum para se inteirar mais sobre a área. Ela afirma que as informações levadas pelo projeto GEF Biogás Brasil ao evento a deixaram ainda mais interessada. “Apesar de eu ser da Engenharia de Petróleo, o biogás é uma área que me chama muita atenção. Tenho vontade de transformar e fazer crescer o biogás nessa parte de energia. Agora fiquei ainda mais interessada pela área”, explicou.

Os organizadores do evento compartilham dessa visão. O chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Suínos e Aves, Rodrigo Nicoloso, acredita que, diante do cenário de crise energética e de fertilizantes em que o Brasil se encontra, o biogás tem um futuro de muita expansão.

“O biogás é um dos futuros possíveis. Quando a gente fala da questão ambiental, existe uma gama de tecnologias que podem ser utilizadas nos diferentes cenários de produção de biogás. Quando a gente conseguir montar arranjos tecnológicos em que o biogás tenha papel central e que produzam novas tecnologias, biogás e biofertilizantes, tem tudo para dar certo. O biogás vai participar desse futuro cada vez com mais intensidade”, defende.

Lançamento do Novo Panorama do Biogás.
Legenda: Lançamento do Novo Panorama do Biogás.
Foto: © UNIDO

Novos números do biogás - O último painel do Fórum contou com o lançamento do Novo Panorama do Biogás no Brasil, pesquisa produzida pelo CIBiogás. A apresentação dos dados, feita pelo consultor da UNIDO e diretor de Desenvolvimento Tecnológico do CIBiogás, Felipe Marques, mostrou que houve um aumento de 16% no número de plantas em operação e 10% no volume de biogás produzido em 2021, em comparação ao ano anterior. A estimativa para 2022 é de um crescimento de 22% do volume gerado pelas plantas de biogás, podendo ultrapassar os 2,8 bilhões de Nm³/ano de biogás.

 

Biodigestores da Folhito Adubos Orgânicos.
Legenda: Biodigestores da Folhito Adubos Orgânicos.
Foto: © UNIDO

Visita técnica - Para encerrar as atividades do 4° Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano, os participantes fizeram visitas técnicas em plantas de biogás próximas ao local do evento. A equipe do projeto GEF Biogás Brasil conheceu as instalações da Folhito Adubos Orgânicos, localizada no município de Estrela (RS) e considerada uma das maiores plantas da região.

A Folhito produz fertilizante orgânico a partir do digestato, gera energia elétrica e térmica a biogás, e possui um sistema de purificação para obtenção de biometano. O engenheiro responsável pela unidade, Alexandre Souza da Rosa, contou que a projeção para o futuro do empreendimento é ser autossuficiente energeticamente.

Próximo fórum - A próxima edição do Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano está prevista para acontecer de 18 a 20 de abril de 2023 em Foz do Iguaçu (PR).

Saiba mais sobre o GEF Biogás Brasil no site do Projeto.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

UNIDO
Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa