Notícias

Guerra na Ucrânia fez 350 mil moradores de Mariupol saírem da cidade

17 junho 2022

Nesta quinta-feira (16), a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, falou sobre a situação humanitária em Mariupol, na Ucrânia, durante a 50ª sessão do Conselho de Direitos Humanos. Até o momento, foram confirmadas 1.348 mortes de civis na cidade, sendo que 70 vítimas eram crianças.

Bachelet também fez um balanço da destruição na cidade tomada pelas forças russas desde o dia 30 de abril. A estimativa é que 90% dos edifícios residenciais tenham sido danificados ou destruídos, assim como até 60% das casas particulares. 

No dia anterior, a alta comissária também relatou ter recebido denúncias de que crianças ucranianas foram “deportadas à força” das regiões do leste do país e levadas para a Rússia para adoção.

Edifício residencial destruído em Dnipro, Ucrânia.
Legenda: Edifício residencial destruído em Dnipro, Ucrânia.
Foto: © Viktor Pesenti/WFP

A alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, falou sobre a situação humanitária em Mariupol, na Ucrânia, durante a 50ª sessão do Conselho de Direitos Humanos, nesta quinta-feira (16), em Genebra. No dia anterior, a Comissão de Inquérito sobre a Ucrânia também participou de uma coletiva de imprensa onde seus membros compartilharam as impressões de sua primeira visita à Ucrânia, desde o início da invasão russa.

Em sua fala ao conselho, Bachelet afirmou que a situação humanitária na cidade portuária de Mariupol, uma das áreas mais atingidas pelo conflito, é devastadora. Lá, a estimativa é que 90% dos edifícios residenciais tenham sido danificados ou destruídos, assim como até 60% das casas particulares. Bachelet ainda afirmou que 350 mil pessoas foram forçadas a deixar esta cidade.

A chefe dos direitos humanos ressaltou que Mariupol foi o lugar mais ‘mortal’ do país entre fevereiro e abril. O local testemunhou cenas dramáticas do conflito, como a evacuação de mais de 600 pessoas da metalúrgica Azovstal e o ataque aéreo russo a um teatro, onde centenas de civis estavam abrigados. “O ataque aéreo russo ao teatro de Mariupol em 16 de março destaca-se entre os exemplos mais mortais e emblemáticos dos danos causados ​​a civis. O teatro tinha centenas de civis escondidos dentro com placas escrito “crianças” claramente e visíveis do céu”, relatou a alta comissária.

Até o momento, o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) confirmou a morte de 1.348 civis, sendo que 70 vítimas eram crianças. Bachelet afirma que as mortes foram causadas por ataques aéreos, bombardeios, bem como disputas nas ruas e tanques de combate. Ela alerta que o número de mortes pode ser muito maior e que ainda há corpos para serem enterrados ou mesmo descobertos em lugares sem acesso. 

Segundo Bachelet, até que todas as vítimas sejam encontradas e identificadas, é impossível saber o número real de mortes civis. “A tragédia de Mariupol está longe de terminar e o quadro completo da devastação causada ainda não está claro. A cidade pode eventualmente ser reconstruída, mas os horrores infligidos à população civil deixarão sua marca indelével, inclusive nas próximas gerações”, comentou.

“Buscar justiça e garantir reparação para todas as vítimas são os próximos passos cruciais para todas as autoridades com poder para agir assim, e para atores internacionais, incluindo meu próprio escritório”, pontuou.

Civis de Mariupol deixam localidade em operação liderada por ONU e Cruz Vermelha.
Legenda: Civis de Mariupol deixam localidade em operação liderada por ONU e Cruz Vermelha.
Foto: © Kateryna Klochko/UNOCHA

Militares - Segundo Bachelet, mais de dois mil soldados ucranianos foram levados como prisioneiros de guerra de Mariupol desde o início de março. Ela relatou que seu escritório recebeu denúncias do assassinato de um soldado ucraniano fora de combate e de maus-tratos a vários outros. Ela explicou que, sem acesso a prisioneiros de guerra em território controlado pelas forças armadas russas e grupos armados afiliados, seu escritório não pôde avaliar as condições de detenção e tratamento.

A alta comissária acrescentou que também está atenta aos supostos julgamentos de três militares ucranianos, cidadãos de outros países, que foram feitos prisioneiros de guerra em Mariupol. Eles foram condenados a morte por tentativa de tomada de poder em território controlado por grupos armados afiliados à Rússia em Donetsk, treinamento para atividades terroristas e mercenarismo.

Órfãos deportados - Na quarta-feira (15), Bachelet também chamou atenção para os relatos de que crianças ucranianas foram “deportadas à força” das regiões do leste do país e levadas para a Rússia para adoção.

A principal autoridade de direitos humanos das Nações Unidas disse que seu gabinete está investigando as alegações de que jovens foram levados de orfanatos na região do Donbass, onde a Rússia vem ganhando terreno em meio a intensos combates nas últimas semanas. “O ACNUDH ainda não pode confirmar essas alegações ou o número de crianças que podem estar em tal situação”, disse Bachelet. “Estamos preocupados com os supostos planos das autoridades russas de permitir o movimento de crianças da Ucrânia para famílias na Federação Russa, que não parecem incluir medidas para a reunificação familiar ou respeitar os interesses das crianças.”

Antes da invasão russa em 24 de fevereiro, havia mais de 91 mil crianças em orfanatos, internatos e outras instituições para jovens na Ucrânia, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Em um comunicado, a agência da ONU disse que estava ciente de relatos de que a Rússia “pode estar modificando a legislação existente para facilitar o processo de adoção acelerado” de órfãos do Donbass. “O UNICEF acredita que a adoção nunca deve ocorrer durante ou imediatamente após emergências. Crianças separadas de seus pais durante uma emergência humanitária não podem ser consideradas órfãs. Todas as oportunidades devem ser oferecidas para o reagrupamento familiar”, publicou o UNICEF. 

Guerra na Ucrânia fez 350 mil moradores de Mariupol saírem da cidade

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ACNUDH
Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa