Notícias

Mais de 4,2 bilhões de pessoas vivem sem acesso a saneamento básico

19 novembro 2020

  • No Dia Mundial do Banheiro, 19 de novembro, a ONU pede mais ação para combater o que chama de “crise global” sobre água e saneamento para todos até 2030. Ressalta também a importância do saneamento sustentável e da mudança climática.
  • Em todo o globo, 4,2 bilhões de pessoas não têm acesso ao serviço. E para as Nações Unidas, a solução requer vontade política para tomar ação e enfrentar a crise global da falta de esgoto tratado.
Menino caminha por um acampamento de migrantes em Calais, França. De acordo com as estimativas, cerca de 900 migrantes e requerentes de asilo estão abrigados na área, muitos sem banheiros ou lavatórios.
Legenda: Menino caminha por um acampamento de migrantes em Calais, França. De acordo com as estimativas, cerca de 900 migrantes e requerentes de asilo estão abrigados na área, muitos sem banheiros ou lavatórios.
Foto: © Geai/UNICEF

No Dia Mundial do Banheiro, 19 de novembro, a ONU pede mais ação para combater o que chama de “crise global” sobre água e saneamento para todos até 2030. Ressalta também a importância do saneamento sustentável e da mudança climática.

Em todo o globo, 4,2 bilhões de pessoas não têm acesso ao serviço. E para as Nações Unidas, a solução requer vontade política para tomar ação e enfrentar a crise global da falta de esgoto tratado.

O acesso à água e saneamento para todos até 2030 é o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 6. Com a velocidade da mudança climática que gera cheias, secas e o aumento do nível do mar, os sistemas de saneamento ficam ameaçados. Desde banheiros até as fossas, passando pelo tratamento das plantas.

As águas das cheias podem contaminar os poços e fontes usadas para água potável. As cheias também podem danificar esgotos e fossas levando os dejetos humanos a contaminar plantações e a causar doenças letais.

Para a ONU, o acesso ao saneamento básico é um direito de todos, assim como água limpa e lavagem de mãos para ajudar a proteger e a manter a saúde e a acabar com a propagação de doenças infecciosas como a COVID-19, cólera e a febre tifoide.

Sem serviços de saneamento é difícil manter os hábitos de higiene recomendados para evitar a propagação da COVID-19.

Mais da metade da população não tem acesso a esgoto tratado e cerca 40% dos habitantes do globo vivem sem água e sabão para lavar as mãos. Todos os dias, mais de 800 crianças morrem de doenças como diarreia e outras infecções causadas por falta de saneamento e água contaminada.

Até 2050, até 5,7 bilhões de pessoas poderão viver em áreas com escassez de água pelo menos uma vez ao mês.

Mais de 4,2 bilhões de pessoas vivem sem acesso a saneamento básico

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

UNIC
Centro de Informação das Nações Unidas

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa