Líderes mundiais se preparam para uma assembleia ambiental decisiva

  • Nos dias 22 e 23 de fevereiro de 2021, representantes dos 193 Estados-membros da ONU, líderes empresariais, sociedade civil e ambientalistas de todo o mundo se reunirão virtualmente para a quinta sessão da Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), o órgão decisório de mais alto nível do mundo sobre meio ambiente.
  • O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) responde a perguntas frequentes sobre esta assembleia bienal, que visa galvanizar a ação internacional sobre mudanças climáticas, poluição e perda de ecossistemas.
A Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA) é o órgão decisório de mais alto nível do mundo sobre meio ambiente.
A Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA) é o órgão decisório de mais alto nível do mundo sobre meio ambiente.

Nos dias 22 e 23 de fevereiro de 2021, representantes dos 193 Estados-membros da ONU, líderes empresariais, sociedade civil e ambientalistas de todo o mundo se reunirão virtualmente para a quinta sessão da Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), o órgão decisório de mais alto nível do mundo sobre meio ambiente.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) responde a perguntas frequentes sobre esta assembleia bienal, que visa galvanizar a ação internacional sobre mudanças climáticas, poluição e perda de ecossistemas.

Dada a enormidade dos desafios que o mundo enfrenta, por que conferências ambientais como a UNEA são importantes?

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou de forma impecável: A humanidade está travando uma guerra contra a natureza. E isto é suicida. Em 2020, o mundo enfrentou inundações, incêndios florestais, invasões de gafanhotos e uma pandemia que colocou a vida como a conhecíamos em espera. A mensagem não poderia ser mais clara.

As atividades econômicas colocaram uma pressão extrema sobre o planeta, impulsionando a mudança climática, destruindo a biodiversidade e os ecossistemas, e aumentando os níveis de poluição. A UNEA ajudará a fortalecer os esforços internacionais para enfrentar esta tripla crises planetária.

Além da quinta sessão da UNEA, no ano de 2021 haverá outras conferências ambientais marcantes, incluindo o Congresso Mundial de Conservação da IUCN, a Cúpula de Sistemas Alimentares, a Conferência dos Oceanos da ONU, a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26) e a Convenção de Biodiversidade da ONU (COP 15).

2021 poderia ser um ano decisivo. Internacionalmente, há uma grande vontade de proteger o planeta para as gerações futuras.

Nos últimos anos, temos visto os países se afastarem de seus compromissos internacionais. Assembleias internacionais como a UNEA ainda fazem sentido?

Mesmo antes da COVID-19, o progresso nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável era desigual. Mas nos casos em que foram tomadas medidas multilaterais, isso fez a diferença. No ano passado, por exemplo, foi o 35º aniversário da Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio. Como resultado de uma ação decisiva e coordenada, a camada de ozônio está agora se recuperando, salvando milhões de vidas e evitando danos econômicos incalculáveis.

O multilateralismo inclusivo é a única maneira de resolver os desafios que enfrentamos. É hora de insistirmos nos objetivos do acordo de Paris sobre a mudança climática, de renovar a liderança e a solidariedade que tornaram possível esse acordo histórico, e de lançar as bases para um futuro mais sustentável.

Em uma época como essa, em que grande parte do mundo lutando para administrar as consequências econômicas da COVID-19, não existem problemas mais urgentes do que o meio ambiente?

Não há como lidar com as consequências econômicas sem abordar também os desafios ambientais que enfrentamos. Mais da metade do produto interno bruto global depende em certa medida da natureza, mas as atividades humanas estão corroendo essa base econômica. A Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos descobriu em 2018 que a degradação da terra e a perda de biodiversidade estavam custando ao mundo 10% do PIB a cada ano em serviços ecossistêmicos perdidos.

Muitos financiadores já estão reconhecendo isto e estabelecendo metas que alinham as carteiras com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Estruturas como os Princípios para o Investimento Responsável e a Aliança de Proprietários de Ativos de Emissões Líquidas Zero reuniram centenas de bancos e investidores institucionais em torno de compromissos para transferir trilhões de dólares para investimentos de baixo carbono e de natureza positiva.

Na UNEA, espera-se que as discussões se concentrem nos pacotes de recuperação da COVID-19. Qual é o objetivo desses diálogos?

Os pacotes de estímulo representam uma oportunidade de mudança positiva, mas como o Relatório sobre a Lacuna de Emissões 2020 do PNUMA constatou, esta oportunidade não foi adequadamente aproveitada.

Durante o próximo ano, trilhões de dólares de gastos de estímulo adicional provavelmente estarão disponíveis. A maioria desses pacotes de estímulo se baseia em empréstimos contraídos junto a governos, portanto, se não forem bem investidos, podemos acabar sobrecarregando a próxima geração com uma dívida pandêmica. As discussões na UNEA se concentrarão em como direcionar os fundos de estímulo para a criação de sociedades e economias de baixo carbono, favoráveis à natureza e livres de poluição, nas quais o financiamento fomenta a transição energética e os empregos verdes.

Dados os desafios que as empresas estão enfrentando devido à pandemia, existe algum forte argumento a favor do investimento no planeta?

As implicações financeiras da perda de ecossistemas para as empresas incluem a redução do rendimento em torno das commodities, a interrupção das cadeias de abastecimento e a perda de fontes de novos produtos.

Mesmo em termos puramente econômicos, os dividendos de investir na natureza são enormes. Por exemplo, até 2030, a restauração dos ecossistemas terrestres e aquáticos danificados pelo desenvolvimento poderia gerar um valor de 9 trilhões de dólares. Os benefícios econômicos são 10 vezes mais do que o custo do investimento. Para aproveitar estas relações custo-benefício, a partir de 2021, a Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas mobilizará a comunidade global para restaurar terras, costas e mares degradados.

Ecossistemas diversos também são mais estáveis e produtivos. O relatório O futuro da natureza e dos negócios do Fórum Econômico Mundial conclui que a transformação do sistema de alimentação, da terra e do uso dos oceanos poderia criar 395 milhões de novos empregos até 2030.

A reunião virtual da UNEA-5 será seguida por uma sessão presencial em Nairobi, Quênia, em fevereiro de 2022. Saiba mais sobre a UNEA-5 aqui.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
PNUMA
Programa das nações Unidas para o Meio Ambiente