Notícias

UNICEF alerta para saúde mental de 332 milhões de crianças que sofrem com políticas do confinamento

05 março 2021

  • O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou que a saúde mental de milhões de crianças em todo o mundo está sendo posta em risco, com pelo menos uma em cada sete sendo forçada a permanecer em casa sob ordens – ou recomendações – da saúde pública do país durante a pandemia da COVID-19.
  • Com base em novas pesquisas, o UNICEF informou na quinta-feira (04) que mais de 330 milhões de jovens estão presos em casa há pelo menos nove meses, desde que o vírus se espalhou incontrolavelmente no ano passado.
  • Metade de todos os transtornos mentais se desenvolvem antes dos 15 anos, de acordo com o UNICEF.
UNICEF está fornecendo às crianças apoio à saúde mental durante a pandemia da COVID-19
Legenda: UNICEF está fornecendo às crianças apoio à saúde mental durante a pandemia da COVID-19
Foto: © Berulava/UNICEF

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou que a saúde mental de milhões de crianças em todo o mundo está sendo posta em risco, com pelo menos uma em cada sete sendo forçada a permanecer em casa sob ordens – ou recomendações – da saúde pública do país durante a pandemia da COVID-19.

Com base em novas pesquisas, o UNICEF informou na quinta-feira (04) que mais de 330 milhões de jovens estão presos em casa há pelo menos nove meses, desde que o vírus se espalhou incontrolavelmente no ano passado.

Isso os deixou isolados e ansiosos com seu futuro, disse o porta-voz do UNICEF, James Elder: "Dezenas e dezenas de milhões de jovens foram deixados se sentindo isolados, assustados, solitários e ansiosos por causa dos confinamentos e isolamentos impostos por conta da pandemia".

Elder disse que os países precisavam encontrar uma saída da pandemia "com uma melhor abordagem para a saúde mental de crianças e adolescentes, e isso provavelmente comece apenas dando à questão a atenção que merece".

Vulnerabilidades mentais - Metade de todos os transtornos mentais se desenvolvem antes dos 15 anos, de acordo com o UNICEF. A maioria das 800 mil pessoas que morrem por suicídio anualmente têm menos de 18 anos.

A diretora executiva do UNICEF, Henrietta Fore, disse que quando, dia após dia, "você está longe de seus amigos e entes queridos distantes, e talvez até mesmo preso em casa com um abusador, o impacto é significativo".

"Muitas crianças ficam com medo, sozinhas, ansiosas e preocupadas com seu futuro. Devemos sair dessa pandemia com uma melhor abordagem para a saúde mental das crianças e adolescentes, e isso começa dando à questão a atenção que merece."

 

Herietta Fore, diretora executiva do UNICEF

Para crianças que sofrem violência, negligência ou abuso em casa, o confinamento deixou muitas delas presas com abusadores. Crianças em grupos populacionais vulneráveis - como aqueles que vivem e trabalham nas ruas, crianças com deficiência e crianças vivendo em situações de conflito - correm o risco de terem suas necessidades ligadas à saúde mental totalmente negligenciadas.

De acordo com a OMS, a pandemia de COVID-19 afetou ou interrompeu os serviços essenciais de saúde mental em 93% dos países em todo o mundo, enquanto a demanda por apoio à saúde mental está aumentando.

Resposta do UNICEF - Para atender às crescentes necessidades, o UNICEF tem oferecido apoio aos governos e parceiros para priorizar os serviços para crianças.

No Cazaquistão, isso levou ao lançamento de uma plataforma do UNICEF para serviços individuais de aconselhamento on-line, além de treinamento à distância em escolas para especialistas em saúde mental.

Na China, a agência trabalhou com a empresa de mídias sociais Kuaishou para produzir um desafio online para ajudar a reduzir a ansiedade em crianças.

Ainda este ano, o UNICEF dedicará seu principal relatório bienal ao estado das crianças ao redor do mundo e à saúde mental de crianças e adolescentes, em uma tentativa de aumentar a conscientização sobre o desafio global, profundamente agravado pelo coronavírus.

Aumentar o investimento - "Se não havíamos compreendido totalmente a urgência desse assunto antes da pandemia da COVID-19, certamente o faremos agora", disse Fore.

"Os países devem investir dramaticamente na expansão de serviços de saúde mental e no apoio aos jovens e seus responsáveis em comunidades e escolas. Também precisamos de programas de paternidade ampliados, para garantir que as crianças de famílias vulneráveis obtenham o apoio e a proteção que precisam em casa", concluiu a dirigente do UNICEF.

UNICEF alerta para saúde mental de 332 milhões de crianças que sofrem com políticas do confinamento

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa