ARTIGO: Ação climática pelas pessoas e pelo planeta

  • Em artigo publicado no jornal Valor Econômico, o secretário-geral da ONU, António Guterres, defende que "agora é o momento de agir de forma ousada para proteger o clima".
  • "Estamos à beira do abismo. Os últimos seis anos, desde 2015, foram os mais quentes já registrados. 2020 foi 1,2 grau Celsius mais quente do que os tempos pré-industriais, já que as concentrações dos principais gases do efeito estufa continuaram a subir e as concentrações de dióxido de carbono atingiram um novo máximo - 410,5 partes por milhão", escreve.
  • O texto marca o Dia Internacional da Terra, comemorado em 22 de abril, quando neste ano teve início a Cúpula do Clima, convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.
  • Leia na íntegra.
Kologrivsky Biosphere Reserve
Em mensagem para marcar o Dia Internacional da Terra, Guterres apela para que todos se comprometam em "fazer as pazes" com a natureza.

Neste ano crucial para a humanidade, agora é o momento de agir de forma ousada para proteger o clima.

 

Estamos à beira do abismo. Os últimos seis anos, desde 2015, foram os mais quentes já registrados. 2020 foi 1,2 grau Celsius mais quente do que os tempos pré-industriais, já que as concentrações dos principais gases do efeito estufa continuaram a subir e as concentrações de dióxido de carbono atingiram um novo máximo - 410,5 partes por milhão.

 

O número de ciclones tropicais em todo o mundo ficou acima da média no ano passado, incluindo 98 tempestades. No Ártico, a extensão mínima anual do gelo marinho em setembro foi a segunda menor já registrada. A perda de gelo da Antártica aumentou. No Brasil, a seca gerou graves incêndios florestais no Pantanal.

 

A ciência é irrefutável e mundialmente consensual: para impedir que a crise climática se torne uma catástrofe permanente, devemos limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius.

 

Para fazer isto, devemos chegar à emissão zero de gás carbônico até metade do século. Os países que representam cerca de dois terços da economia global já se comprometeram a isto. É um cenário encorajador, mas precisamos urgentemente que todos os países, cidades, empresas e instituições financeiras se unam a esta coalisão e adotem planos concretos para a transição de neutralidade de carbono.

 

É ainda mais urgente que os governos combinem esta ambição de longo prazo com ações concretas e imediatas, à medida que são mobilizados trilhões de dólares para superar a pandemia da COVID-19. A revitalização das economias é a nossa oportunidade de redesenhar o nosso futuro.

 

O mundo tem uma abordagem forte para a ação: o Acordo de Paris, no qual todos os países se comprometeram a incluir seus próprios planos nacionais de ação climática e a fortalecê-los a cada cinco anos. Mais de cinco anos depois, e com a prova condenatória de que se não agirmos nós destruiremos o nosso planeta, é hora de uma ação decisiva e efetiva, já que as Nações Unidas convocam todos os países para a COP26 em Glasgow, em novembro.

 

Os novos planos nacionais devem cortar a poluição mundial de gases de efeito estufa em pelo menos 45 por cento até 2030 em relação aos níveis de 2010. Muitos já foram apresentados e estabelecem políticas mais claras para a adaptação aos impactos das mudanças climáticas e promoção do acesso à energia renovável.

 

No entanto, até agora, estes planos alcançaram uma redução de menos de um por cento nas emissões. Isto é verdadeiramente um alerta vermelho para as pessoas e para o planeta.

 

Nos próximos meses, começando pela Cúpula de Líderes organizada pelos Estados Unidos, os governos devem intensificar drasticamente as suas ambições - principalmente os países que mais emitem e que são os principais causadores desta crise. Estou ansioso por uma ambição significativa do Brasil na Contribuição Nacionalmente Determinada do país, incluindo a contenção do desmatamento e, ao mesmo tempo, a garantia de apoio e criação de empregos em regiões-chave.

 

A eliminação gradual do carvão no setor energético é a etapa mais importante para atingir a meta de 1,5 grau Celsius. A ação imediata para remover o combustível fóssil mais sujo e mais poluente do setor de energia oferece ao nosso mundo uma oportunidade de lutar.

 

A utilização mundial de carvão na geração de eletricidade deve ser reduzida em 80% até 2030, em relação aos níveis de 2010. Isto significa que as economias desenvolvidas devem comprometer-se a eliminar o carvão até 2030 e os outros países devem fazer isto até 2040. Não há razão nenhuma para que sejam construídas novas centrais de carvão. Um terço das centrais de carvão já custa mais para operar do que construir novos parques e armazéns de energias renováveis. A COP26 deve assinalar o fim do carvão.

 

Enquanto o mundo se move para a energia renovável e o ar puro, é essencial garantirmos uma transição justa. Os trabalhadores das indústrias impactadas e dos setores informais devem ser apoiados enquanto mudam de emprego ou ganham novas competências. Devemos também liberar o grande poder das mulheres e das meninas em fazer a transformação, incluindo-as como participantes iguais na governança e na tomada de decisões.

 

Os países que contribuíram menos com as mudanças climática estão sofrendo os piores impactos. Muitas pequenas nações insulares simplesmente deixarão de existir se não acelerarmos a resposta. Os países desenvolvidos devem cumprir os seus compromissos fornecendo e mobilizando 100 bilhões de dólares anualmente para: dobrar os níveis atuais de financiamento climático; destinar metade de todo o financiamento internacional do carvão; e mudar os subsídios dos combustíveis fósseis para as energias renováveis.

 

A Cúpula do G7, em junho, oferece uma oportunidade para os países mais ricos do mundo avançarem e apresentarem os comprometimentos financeiros que garantirão o sucesso da COP26.

 

Enquanto governos devem liderar, os tomadores de decisão de todo o mundo têm um papel vital a desempenhar.

 

Peço a todos os bancos multilaterais e nacionais de desenvolvimento que, até a COP26, adotem políticas claras para financiar a recuperação da COVID-19 e a transição para economias resilientes nos países em desenvolvimento, levando em consideração os níveis devastadores de dívidas e as imensas pressões nos orçamentos nacionais.

 

O setor financeiro no Brasil deu passos importantes. O Banco Central lançou uma agenda de sustentabilidade e está integrando os riscos climáticos ao seu trabalho. Atores financeiros privados como Itaú, Santander e Bradesco traçaram planos para impulsionar o desenvolvimento na Amazônia por meio de cadeias de suprimentos sustentáveis, investimentos em infraestrutura e apoio aos agentes locais na bioeconomia. A associação de bancos comerciais do país tem sido fundamental para o avanço das recomendações da Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima.

 

Muitos governos locais e empresas privadas se comprometeram com a neutralidade de emissões até 2050 e estão determinados a fazer revisões significativas de seus modelos de negócios. Apelo a todos que definam metas e políticas ambiciosas.

 

Gostaria também de encorajar os jovens de todo o mundo para que continuem a levantar as suas vozes exigindo ação para combater as mudanças climáticas, proteger a biodiversidade, acabar com a guerra da humanidade contra a natureza e acelerar os esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

O tempo está acabando e há muito trabalho duro pela frente, mas não é hora de levantar a bandeira branca. As Nações Unidas continuarão a levantar nossa bandeira azul de solidariedade e de esperança. Neste Dia da Terra, 22 de abril, e nos cruciais meses à frente, apelo para que todas as nações e todas as pessoas se levantem juntas neste momento.

Veja a mensagem do secretário-geral para o Dia Internacional da Terra

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
ONU
Organização das Nações Unidas