Notícias

COVID-19 tem impactos “devastadores” na saúde das mulheres, afirma diretora da OPAS

27 maio 2021

  • Em uma coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (26), a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) chamou atenção para o próximo Dia Internacional de Ação sobre a Saúde da Mulher, celebrado em 28 de maio, e alertou para as consequências da interrupção contínua dos serviços de saúde prestados às mulheres no contexto da pandemia de COVID-19.
  • Para a diretora, o retrocesso poderia “destruir” mais de 20 anos de progresso na redução da mortalidade materna no acesso ao planejamento familiar na América Latina e no Caribe. Nesse cenário, o retorno aos níveis pré-pandêmicos de mortalidade materna pode levar mais de uma década.
  • Não é só em relação à saúde das mulheres que o quadro se mostra preocupante. Enquanto o número global de mortes em 2020 de COVID-19 quase está perto de três milhões de pessoas — quase o dobro do ano anterior, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) — a diretora da OPAS lembra que metade dessas mortes ocorreram nas Américas.
Legenda: Quase todas as mortes maternas são evitáveis, mas os impactos da pandemia na saúde das mulheres é devastador
Foto: © UNICEF/Panjwani

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, advertiu para as consequências da interrupção contínua dos serviços de saúde prestados às mulheres devido à pandemia de COVID-19. Nas palavras da diretora, o retrocesso poderia “destruir” mais de 20 anos de progresso na redução da mortalidade materna e o aumento do acesso ao planejamento familiar na América Latina e no Caribe.

“Quero destacar os impactos devastadores na saúde e socioeconômicos que esse vírus tem nas mulheres”, disse Etienne, durante a coletiva de imprensa semanal da OPAS, realizada nesta quarta-feira (26).

As mulheres foram particularmente afetadas pelas interrupções dos serviços de saúde reprodutiva e materna. “De acordo com a indicação da ONU, até 20 milhões de mulheres nas Américas tiveram seu controle de natalidade interrompido durante a pandemia, seja porque os serviços não estão disponíveis ou porque as mulheres não podem mais pagar pela contracepção”.

A gravidez e os cuidados com recém-nascidos também foram interrompidos em quase metade dos países das Américas, revelou a diretora da OPAS. As mulheres grávidas são mais vulneráveis a infecções respiratórias como a COVID-19. Se ficarem doentes, tendem a desenvolver sintomas mais graves que exigem intubação, o que pode colocar em risco a mãe e bebê.

“Se isso continuar, espera-se que a pandemia destrua mais de 20 anos de progresso na expansão do acesso das mulheres ao planejamento familiar e no combate às mortes maternas na região”, afirmou Etienne. “Quase todas as mortes maternas são evitáveis e até mesmo o retorno aos níveis pré-pandêmicos de mortalidade materna, que já eram altos, pode levar mais de uma década.”

A taxa de mortalidade materna na América Latina e no Caribe diminuiu de 96 para 74 mortes maternas por 100 mil nascidos vivos entre 2000 e 2017, uma redução geral de 23,1%.

Chamando a atenção para o próximo Dia Internacional de Ação sobre a Saúde da Mulher, celebrado em 28 de maio, Etienne disse: 

“Chamamos os países a fazerem exatamente isso - agir. Podemos começar garantindo que mulheres e meninas tenham acesso aos serviços de saúde de que precisam - como serviços de saúde sexual e reprodutiva e cuidados relacionados à gravidez e ao recém-nascido - durante a resposta à COVID-19.”

“Devemos lembrar que os desafios e as desigualdades que enfrentamos antes da COVID-19 não desapareceram durante a pandemia - eles apenas pioraram e não podem ser esquecidos. É por isso que devemos fazer da proteção da vida das mulheres uma prioridade coletiva”, acrescentou a diretora da OPAS.

Estabilização em níveis alarmantes - Etienne também falou sobre a afirmação da Organização Mundial da Saúde (OMS), na semana passada, de que o número de vítimas da COVID-19 foi gravemente subnotificado. “O verdadeiro número global de mortes em 2020 do COVID está perto de três milhões de pessoas - quase o dobro dos números notificados no ano passado”, disse. “É preocupante que metade dessas mortes tenha ocorrido aqui, nas Américas, demonstrando o impacto descomunal que essa pandemia teve em nossa região”. Na semana passada, mais de 1,2 milhão de novos casos de COVID-19 e 31 mil mortes foram notificados nas Américas.

“Esses números permaneceram inalterados nas últimas semanas, mostrando uma tendência preocupante: os casos e mortes estão se estabilizando em níveis alarmantes”, enfatizou Etienne. “Na verdade, na semana passada, quatro dos cinco países que notificaram o maior número de novas infecções estavam aqui, em nossa região, e os países da América Latina representaram as cinco maiores taxas de mortalidade em todo o mundo.”

Aumentos de casos foram registrados em países da América Central, incluindo Costa Rica, Panamá, Belize e Honduras, onde os leitos de UTI têm mais de 80% da capacidade preenchida. No Caribe, Trinidad e Tobago declarou emergência nacional após um recente surto de COVID-19. Cuba continua registrando um aumento significativo e São Vicente e Granadinas ainda estão passando por picos depois que as pessoas foram transferidas para abrigos devido a erupções vulcânicas recentes. “Também estamos preocupados com o aumento das tendências de hospitalizações no Haiti”, observou a diretora da OPAS.

Na América do Sul, as novas infecções diminuíram no Chile, Peru e Paraguai. Mas Uruguai, Argentina e Brasil, depois de experimentar progresso por várias semanas, estão vendo mais uma vez um aumento nos casos. A Bolívia está notificando um aumento dramático nos casos e mortes e a Guiana está enfrentando o maior volume de casos e mortes desde o início da pandemia.

 

COVID-19 tem impactos “devastadores” na saúde das mulheres, afirma diretora da OPAS

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

PAHO
The Pan American Health Organization
OMS
Organização Mundial da Saúde

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa