Acesso à eletricidade avança, mas desigualdade ainda é obstáculo para cumprir meta de energia para todos

  • Durante a última década, mais do que nunca, as pessoas em todo o mundo tiveram acesso à eletricidade. No entanto, a desigualdade ainda é uma grande problema para atingir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável que visa garantir energia para todos (ODS 7), de acordo com um novo relatório da ONU sobre o acesso universal à energia, lançado na segunda-feira (07).
  • Enquanto mais de um bilhão de pessoas obtiveram acesso à eletricidade na última década em todo o mundo, o impacto financeiro da COVID-19 até agora tornou os serviços básicos de eletricidade inacessíveis para outros 30 milhões, principalmente na África.
  • Países como Nigéria, República Democrática do Congo e Etiópia não tiveram expansão em sua rede e devem chegar em 2030 sem atingir a meta de acesso universal, a menos que os esforços sejam significativamente aumentados.
  • A publicação também examina maneiras de preencher as lacunas para alcançar o ODS7. A principal delas é ampliação das energias renováveis, que se mostraram mais resilientes do que outras partes do setor energético durante a crise da COVID-19.
homens carregam painel solar
De acordo com o relatório, 90% da população mundial tem agora acesso à eletricidade.

Durante a última década, mais do que nunca, as pessoas em todo o mundo tiveram acesso à eletricidade. No entanto, o número ainda não cresceu na Nigéria, na República Democrática do Congo e na Etiópia, de acordo com um novo relatório da ONU sobre o acesso universal à energia, lançado na segunda-feira (7).

O sétimo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS 7), visa garantir o acesso a energia acessível, confiável, sustentável e moderna para todos. 

No entanto, essas nações que permanecem de fora da rede, estão prontas para chegar em 2030 sem atingir essa meta, a menos que os esforços sejam significativamente aumentados, alerta o novo estudo intitulado Monitorando o ODS 7: o relatório do progresso energético (Tracking SDG 7: The Energy Progress Report, no original), publicado pela Agência Internacional de Energia (AIE), a Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA), o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU (UN DESA), o Banco Mundial e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Avançar para o aumento da energia limpa e sustentável é fundamental para proteger a saúde humana e promover populações mais saudáveis, especialmente em áreas remotas e rurais”, disse a diretora do Departamento de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da OMS, Maria Neira.

Impacto da COVID - O relatório descreve um progresso significativo, mas desigual. Globalmente, o número de pessoas sem acesso à eletricidade diminuiu de 1,2 bilhão em 2010 para 759 milhões em 2019. No entanto, o impacto financeiro da COVID-19 até agora tornou os serviços básicos de eletricidade inacessíveis para outros 30 milhões, principalmente na África. 

“O relatório sobre o ODS 7 mostra que 90% da população mundial tem agora acesso à eletricidade, mas as disparidades exacerbadas pela pandemia, se não forem tratadas, podem manter a meta de energia sustentável fora do alcance, prejudicando outros ODS e os objetivos do Acordo de Paris”, disse a diretora gerente de política de desenvolvimento e parcerias do Banco Mundial, Mari Pangestu.

Embora o relatório também conclua que a pandemia da COVID-19 reverteu algum progresso, o diretor da divisão de estatísticas do DESA, Stefan Schweinfest, destacou que isso apresentou “oportunidades para integrar políticas relacionadas ao ODS 7 em pacotes de recuperação e, assim, aumentar o desenvolvimento sustentável".

Modernizando energias renováveis - A publicação examina maneiras de preencher as lacunas para alcançar o ODS7, a principal delas é ampliação das energias renováveis, que se mostraram mais resilientes do que outras partes do setor energético durante a crise da COVID-19.

Embora a África Subsaariana tenha a maior parcela de fontes renováveis ​​em seu fornecimento de energia, elas estão longe de ser “limpas” - 85% usam biomassa, como queima de madeira, plantações e esterco.

“Em um caminho global para alcançar a  neutralidade de carbono até 2050, podemos alcançar as principais metas de energia sustentável até 2030 à medida que expandimos as energias renováveis ​​em todos os setores e aumentamos a eficiência energética”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol. 

Embora o setor privado continue a fornecer investimentos em energia limpa, o setor público continua a ser uma importante fonte de financiamento, central na alavancagem de capital privado, especialmente nos países em desenvolvimento e em um contexto pós-COVID.

"Uma recuperação saudável e verde da COVID-19 inclui a importância de garantir uma transição rápida para uma energia limpa e sustentável”, disse Neira.

Em meio à pandemia da COVID-19, que aumentou drasticamente a percepção de risco dos investidores e mudou as prioridades nos países em desenvolvimento. Os fluxos financeiros internacionais em termos de investimento público são mais essenciais do que nunca para alavancar os níveis de investimento necessários para atingir o ODS 7, de acordo com o relatório.  

“Maiores esforços para mobilizar e aumentar o investimento são essenciais para garantir que o progresso do acesso à energia continue nas economias em desenvolvimento”, acrescentou.

Outros alvos principais - O relatório destacou outras ações cruciais necessárias para métodos de cozimento ecológicos, eficiência energética e fluxos financeiros internacionais.

De acordo com a publicação, cerca de 2,6 bilhões de pessoas não têm acesso a métodos de cozimento ecológicos, que cumpram os critérios da OMS.  

Nessa área, praticamente não houve progresso desde 2010, levando a milhões de mortes a cada ano por respirar fumaça de cozinha. Sem ação rápida, o mundo ficará aquém de sua meta para 2030. 

Na África Subsaariana, 910 milhões de pessoas não têm acesso a estes métodos de cozinha. Na República Democrática do Congo, Etiópia, Madagascar, Moçambique, Níger, Uganda e Tanzânia 5% da população ou menos têm este tipo de acesso. 

Alimentando para a cúpula do outono - Esta sétima edição do relatório anteriormente conhecido como Global Tracking Framework (Acompanhamento Estrutural Global) chega em um momento crucial, pois os governos e outros atores estão se preparando para o Diálogo de Alto Nível da ONU sobre Energia em setembro de 2021, com o objetivo de examinar o que é necessário para alcançar o ODS 7 até 2030.

O relatório informará a reunião de cúpula sobre o progresso atual em direção ao ODS 7, “quatro décadas após o último evento de alto nível dedicado à energia sob a tutela da Assembleia Geral da ONU”, destaca Schweinfest.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
UN DESA
Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas
ONU
Organização das Nações Unidas
OMS
Organização Mundial da Saúde
Outras entidades envolvidas nesta iniciativa
Banco Mundial
Banco Mundial