Notícias

SOFI 2021: Relatório da ONU destaca os impactos da pandemia no aumento da fome no mundo

12 julho 2021

  • Um relatório global produzido por agências da ONU avalia o impacto da pandemia na fome e alerta que o mundo está em um momento crítico, no qual é urgente agir para reverter o cenário até 2030.
  • O documento é a primeira avaliação global desse tipo em tempos de pandemia. Ele é publicado em conjunto pela FAO, Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, UNICEF, WFP e OMS.
  • O estudo mostra que mais de 2,3 bilhões de pessoas (ou 30% da população global) não tiveram acesso à alimentação adequada durante todo o ano de 2020.
  • A fome disparou em termos absolutos e proporcionais, ultrapassando o crescimento populacional: estima-se que cerca de 9,9% entre todas as pessoas tenham sofrido de desnutrição no ano passado, em comparação a 8,4%, em 2019.
  • O aumento mais acentuado da fome foi na África, onde a prevalência estimada de desnutrição – em 21% da população – é mais do que o dobro de qualquer outra região.
Legenda: A má nutrição persistiu em todas as suas formas, com as crianças pagando um preço alto
Foto: © Rocco Nuri/ACNUR

A fome mundial passou por um agravamento dramático em 2020, é o que destacam as Nações Unidas hoje – e provavelmente, o aumento está relacionado às consequências da COVID-19. Embora o impacto da pandemia ainda não tenha sido totalmente mapeado, o relatório O Estado da Insegurança Alimentar e Nutrição no Mundo (SOFI) 2021 estima que cerca de um décimo da população global –até 811 milhões de pessoas– estava subalimentada no ano passado. O número sugere que será necessário um grande esforço para o mundo honrar sua promessa de acabar com a fome até 2030.

O SOFI 2021 é a primeira avaliação global desse tipo em tempos de pandemia. O relatório é publicado em conjunto pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (WFP) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

As edições anteriores já haviam alertado o mundo de que a segurança alimentar de milhões –muitas crianças entre elas– estava em jogo. “Infelizmente, a pandemia continua expondo fraquezas em nossos sistemas alimentares, que ameaçam a vida e o sustento de pessoas em todo o mundo”, escrevem os chefes das cinco agências da ONU no prefácio.

Oportunidade única - Eles alertam sobre uma “conjuntura crítica”, ao mesmo tempo que depositam novas esperanças no aumento do ímpeto diplomático. “Este ano oferece uma oportunidade única para o avanço da segurança alimentar e nutrição por meio da transformação dos sistemas alimentares com a próxima Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU, a Cúpula Nutrição para o Crescimento e a COP26 sobre mudança climática.” “O resultado desses eventos”, acrescentam os cinco, “dará forma à [...] segunda metade da Década de Ação para Nutrição das Nações Unidas” –um compromisso de política global que ainda não atingiu seu objetivo.

Os números em detalhes - Na década de 2010, a fome havia começado a subir, diminuindo as esperanças de um declínio irreversível. Perturbadoramente, em 2020 a fome disparou em termos absolutos e proporcionais, ultrapassando o crescimento populacional: estima-se que cerca de 9,9% entre todas as pessoas tenham sofrido de desnutrição no ano passado, em comparação a 8,4%, em 2019.

Mais da metade de todas as pessoas subalimentadas (418 milhões) vivem na Ásia; mais de um terço (282 milhões) na África; e uma proporção menor (60 milhões) na América Latina e no Caribe. Mas o aumento mais acentuado da fome foi na África, onde a prevalência estimada de desnutrição –em 21% da população– é mais do que o dobro de qualquer outra região.

Em outras análises, o ano de 2020 também foi devastador. No geral, mais de 2,3 bilhões de pessoas (ou 30% da população global) não tinham acesso à alimentação adequada durante todo o ano. Este indicador – conhecido como prevalência de insegurança alimentar moderada ou grave – saltou em um ano tanto quanto nos cinco anteriores combinados. A desigualdade de gênero se aprofundou: para cada 10 homens com insegurança alimentar, havia 11 mulheres com insegurança alimentar em 2020 (de 10,6 em 2019).

A má nutrição persistiu em todas as suas formas, com as crianças pagando um preço alto: em 2020, estima-se que mais de 149 milhões de menores de cinco anos sofriam de atraso de crescimento ou eram muito baixos para sua idade; mais de 45 milhões –debilitadas ou muito magras para sua altura; e quase 39 milhões –acima do peso. Três bilhões de adultos e crianças permaneceram excluídos de dietas saudáveis, em grande parte devido aos custos excessivos. Quase um terço das mulheres em idade reprodutiva sofre de anemia. Globalmente, apesar do progresso em algumas áreas – mais bebês, por exemplo, estão sendo alimentados exclusivamente com leite materno – o mundo não está a caminho de atingir as metas de nenhum indicador nutricional até 2030.

Outros fatores - Em muitas partes do mundo, a pandemia provocou recessões brutais e prejudicou o acesso aos alimentos. No entanto, mesmo antes da pandemia, a fome estava se espalhando; o progresso na má nutrição foi lento. Isso foi ainda mais impactante em nações afetadas por conflitos, mudanças climáticos ou outras crises econômicas, ou lutando contra a alta desigualdade – todos os quais o relatório identifica como os principais motores da insegurança alimentar, que por sua vez interagem entre si. 

Quanto mais fatores um país tem, pior é a subalimentação e a má nutrição, maior a insegurança alimentar e mais proibitivo o custo de alimentação saudável para seus cidadãos.

Seguindo as tendências atuais, o Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo estima que a Meta 2 do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (Fome Zero até 2030) não será alcançada por uma margem de quase 660 milhões de pessoas. Destes 660 milhões, cerca de 30 milhões podem estar ligados aos efeitos duradouros da pandemia.

Pronunciamento do secretário-geral - Em uma declaração feita nesta segunda-feira (12), o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, endereçou o aumento da fome no mundo. O chefe da ONU avaliou que não se trata de um problema isolado, e que os altos custos, associados a níveis persistentemente elevados de pobreza e desigualdade de renda, continuam a manter dietas saudáveis ​​fora do alcance de cerca de três bilhões de pessoas, em todas as regiões do mundo.

"Hoje, somos lembrados de que estamos tremendamente fora do caminho para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Dados novos e trágicos nos informam que entre 720 e 811 milhões de pessoas no mundo passaram fome em 2020 - 161 milhões a mais do que em 2019", disse Guterres.

O que pode (ainda) ser feito - Conforme descrito no relatório do ano passado, transformar os sistemas alimentares é essencial para alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e colocar alimentações saudáveis ao alcance de todos. A edição deste ano vai além, delineando seis “caminhos de transformação”. Estes, dizem os autores, contam com um “conjunto coerente de políticas e carteiras de investimento” para combater os impulsionadores da fome e da má nutrição.

Dependendo do fator específico (ou combinação de fatores) que cada país enfrenta, o relatório insta os formuladores de políticas a:

  • Integrar políticas humanitárias, de desenvolvimento e de construção da paz em áreas de conflito –por exemplo, por meio de medidas de proteção social para evitar que as famílias vendam bens escassos em troca de alimentos;
  • Ampliar a resiliência climática em todos os sistemas alimentares –por exemplo, oferecendo aos pequenos agricultores amplo acesso a seguro contra riscos climáticos e financiamento baseado em previsões;
  • Fortalecer a resiliência dos mais vulneráveis à adversidade econômica –por exemplo, por meio de programas em campo ou de apoio em dinheiro para diminuir o impacto de choques do tipo pandêmico ou volatilidade dos preços dos alimentos;
  • Intervir ao longo das cadeias de abastecimento para reduzir o custo de alimentos nutritivos –por exemplo, incentivando o plantio de safras biofortificadas ou facilitando o acesso dos produtores de frutas, legumes e verduras aos mercados;
  • Combater a pobreza e as desigualdades estruturais –por exemplo, estimulando cadeias de valor de alimentos em comunidades pobres por meio de transferências de tecnologia e programas de certificação;
  • Fortalecer os ambientes alimentares e mudar o comportamento do consumidor –por exemplo, eliminando as gorduras trans industriais e reduzindo o teor de sal e açúcar no abastecimento alimentar, ou protegendo as crianças do impacto negativo do marketing alimentar.

O relatório também pede um “ambiente propício para mecanismos e instituições de governança” para tornar a transformação possível. Ele recomenda que os formuladores de políticas consultem amplamente; para empoderar mulheres e jovens; e expandir a disponibilidade de dados e novas tecnologias. Acima de tudo, insistem os autores, o mundo deve agir agora – ou assistir os fatores de impulsionamento da fome e da má nutrição se repetirem com intensidade crescente nos próximos anos, mesmo depois de passado o choque da pandemia.

Leia o relatório completo aqui.
Leia o comunicado online.

SOFI 2021: Relatório da ONU destaca os impactos da pandemia no aumento da fome no mundo

FAO

Aline Czezacki Kravutschke

FAO

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ACNUR
Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados
UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância
WFP
Programa Mundial de Alimentos
OMS
Organização Mundial da Saúde

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa