Notícias

Crise climática e COVID-19 empurram 23 países para insegurança alimentar aguda, alertam FAO e WFP

03 agosto 2021

  • Um novo relatório desenvolvido pelo WFP e pela FAO chama atenção para os 23 “focos de fome”, que nos próximos quatro meses deverão enfrentar um nível agudo de insegurança alimentar devido às repercussões econômicas da COVID-19 combinadas à crise climática e aos combates.
  • Os países que atualmente enfrentam os obstáculos mais significativos que impedem a ajuda de chegar até eles incluem Afeganistão, Etiópia, República Centro-Africana, Mali, Nigéria, Sudão do Sul, Somália, Síria e Iêmen.
  • Em 2020, 155 milhões de pessoas passaram a enfrentar insegurança alimentar aguda em crise ou piores níveis em 55 países. Isso representa um aumento de mais de 20 milhões em relação a 2019, e a tendência é piorar este ano.
Legenda: Assolado pela seca, Madagascar foi identificado como um “foco da fome”
Foto: © Safidy Andriananten/UNICEF

A ajuda que salva vidas de famílias à beira da fome está sendo cortada em vários países por conflitos e bloqueios, disseram a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (WFP) em um  novo relatório  divulgado na sexta-feira (30).

Uma reportagem das Nações Unidas chama atenção para os 23 “focos de fome” de grande preocupação, que nos próximos quatro meses deverão enfrentar um nível agudo de insegurança alimentar devido às repercussões econômicas da COVID-19 combinadas à crise climática e aos combates. 

“Famílias que dependem de assistência humanitária para sobreviver estão por um fio. Quando não podemos alcançá-los, esse fio é cortado e as consequências são nada menos que catastróficas”, alertou o diretor-executivo do WFP, David Beasley.

Apoiando a agricultura - Obstáculos burocráticos e falta de financiamento também dificultam os esforços das agências para fornecer assistência alimentar de emergência e permitir que os agricultores plantem em escala e no momento certo.

“A grande maioria dos que estão na beira são agricultores. Juntamente com a assistência alimentar, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para ajudá-los a retomar a produção de alimentos”, disse o diretor-geral da  FAO, QU Dongyu.

“Até agora, o apoio à agricultura como meio chave de prevenção da fome generalizada permanece amplamente esquecido pelos doadores. Sem esse apoio, as necessidades humanitárias continuarão disparando”, acrescentou.

Nações que são focos - Os 23 focos de fome identificados são Afeganistão, Angola, República Centro-Africana, Sahel Central, Chade, Colômbia, República Democrática do Congo, Etiópia, El Salvador junto com Honduras, Guatemala, Haiti, Quênia, Líbano, Madagascar, Moçambique, Mianmar, Nigéria, Serra Leoa junto com Libéria, Somália, Sudão do Sul, República Árabe Síria e Iêmen.

A FAO e o WFP alertaram que 41 milhões de pessoas corriam o risco de cair na fome. Em 2020, 155 milhões de pessoas passaram a enfrentar insegurança alimentar aguda em crise ou piores níveis em 55 países, de acordo com o Relatório Global sobre Crises Alimentares. Isso representa um aumento de mais de 20 milhões em relação a 2019, e a tendência é piorar este ano.

O relatório destaca que conflitos, extremos climáticos e choques econômicos, muitas vezes relacionados às consequências econômicas da COVID-19, provavelmente continuarão sendo os principais causadores da insegurança alimentar aguda no período de agosto a novembro deste ano.

Ameaças transfronteiriças também são um fator agravante em algumas regiões. Em particular, infestações de gafanhotos do deserto no Chifre da África e enxames de gafanhotos migratórios na África Austral.

Comunidades separadas - As restrições de acesso humanitário são outro fator agravante, aumentando o risco de fome. Os países que atualmente enfrentam os obstáculos mais significativos que impedem a ajuda de chegar até eles incluem Afeganistão, Etiópia, República Centro-Africana, Mali, Nigéria, Sudão do Sul, Somália, Síria e Iêmen.

“O caminho para a Fome Zero não é pavimentado com conflitos, postos de controle e burocracia. O acesso humanitário não é um conceito abstrato. Isso significa que as autoridades aprovam a papelada a tempo para que os alimentos possam ser transportados rapidamente, significa que os postos de controle permitem que os caminhões passem e cheguem ao seu destino, significa que os trabalhadores humanitários não são visados, então eles são capazes de manter seus trabalhos que salvam vidas e meios de subsistência”, disse Beasley, diretor da WFP.

Países de maior alerta - Etiópia e Madagascar são os mais novos focos de fome de “maior alerta” do mundo, de acordo com o relatório. A Etiópia enfrenta uma emergência alimentar devastadora ligada ao conflito em curso na região de Tigray. 

Chegar aos necessitados continua sendo um desafio enorme, com 401 mil pessoas que deverão enfrentar condições catastróficas até setembro. Este é o número mais alto em um país desde a onda de fome de 2011 na Somália. Enquanto isso, no sul de Madagascar, espera-se que 28 mil pessoas sejam empurradas para condições semelhantes à fome até o final do ano.

Isso se deve à pior seca em 40 anos, combinada com o aumento dos preços dos alimentos, tempestades de areia e pragas que afetam as safras básicas.

Os novos alertas mais altos emitidos para a Etiópia e Madagascar se somam ao Sudão do Sul, Iêmen e norte da Nigéria, que permanecem entre os focos de insegurança alimentar aguda de maior preocupação global.

Alguns desses países já enfrentam condições de fome e um número significativo de pessoas corre o risco de perder acesso aos alimentos.

O pior do mundo - No Afeganistão, onde a insegurança alimentar aguda está se tornando cada vez mais crítica devido à seca em curso, há um deslocamento crescente causado pelo conflito, assim como os altos preços dos alimentos e o desemprego generalizado alimentado pela COVID-19.

Enquanto isso, espera-se que a situação já precária no Haiti piore, já que o país enfrenta uma provável queda na produção de alimentos básicos devido à falta ou irregularidade de chuvas. Ele também está sofrendo com o agravamento da instabilidade política e da inflação dos preços dos alimentos, e os impactos das restrições relacionadas à COVID-19.

O relatório alerta que a ação humanitária é urgentemente necessária para prevenir a fome e a morte em todos os 23 enfoques críticos.

O estudo também fornece recomendações específicas para cada país, cobrindo respostas de emergência de curto prazo, assim como ações antecipatórias para proteger os meios de subsistência rurais e aumentar a produção agrícola, para que as comunidades em risco possam resistir melhor a choques futuros.

Crise climática e COVID-19 empurram 23 países para insegurança alimentar aguda, alertam FAO e WFP

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

FAO
Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura
WFP
Programa Mundial de Alimentos

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa