Notícias

76ª Assembleia Geral da ONU tem início em meio ao "maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial"

15 setembro 2021

  • No encerramento da 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU, o secretário-geral, António Guterres, reconheceu os desafios a serem enfrentados em meio ao "aprofundamento das desigualdades, crises econômicas e a derrocada de milhões para a pobreza extrema".
  • Passando o bastão para o novo presidente da Assembleia, Guterres cumprimentou o predecessor, Volkan Bozkir, pelo trabalho.
  • Em sua gestão, Bozkir priorizou uma recuperação sustentável, alinhada com as diretrizes da Agenda 2030, além de apoiar países e comunidades na reconstrução de sistemas destruídos pela pandemia.
  • O recém-empossado presidente da Assembleia Geral, Abdulla Shahid, das Maldivas, abriu a 76ª sessão do grupo com uma mensagem de esperança: “a narrativa deve mudar”, e a Assembleia Geral “tem um papel nisso”.
Legenda: Volkan Bozkir (à direita), presidente da 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU, entrega o martelo a Abdulla Shahid, presidente da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas
Foto: © Evan Schneider/Nações Unidas

"A pandemia de COVID-19 se provou o período mais desafiador que o mundo viu desde a Segunda Guerra Mundial", disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. O pronunciamento marcou o encerramento da 75ª sessão da Assembleia Geral e abriu o caminho para uma nova era. Entre os desafios a serem enfrentados nela, o secretário-geral destacou o aprofundamento das desigualdades, as crises econômicas e a derrocada de milhões para a pobreza extrema.

Passando o bastão para o novo presidente da Assembleia, Guterres cumprimentou o predecessor: "Durante esse momento histórico difícil tivemos a sorte de contar com a liderança de Sua Excelência, o presidente Volkan Bozkir", disse.

O chefe da ONU deu crédito ao diplomata e político turco por priorizar uma recuperação sustentável, alinhada com as diretrizes da Agenda 2030, além de apoiar países e comunidades na reconstrução de sistemas destruídos pela pandemia.

Campanha de vacinação ambiciosa - Guterres também disse que, sob a liderança de Volkan Bozkir, a Assembleia foi capaz de "fortalecer sistemas de saúde, entregar testes para COVID-19, tratamento e equipamentos, além de contribuir para a campanha de vacinação mais ambiciosa da história da humanidade", elogiou. 

Bozkir também conduziu o trabalho da Assembleia Geral nas áreas de paz e segurança, desarmamento, direitos humanos, igualdade de gênero e desenvolvimento sustentável, ao mesmo tempo supervisionando a adoção de importantes resoluções sobre questões-chave - da construção da paz ao contraterrorismo e prevenção de crimes contra a humanidade - abordando mudanças climáticas e fim do tráfico humano.

“Sob a gestão do Presidente Bozkir, esta Assembleia provou o valor do multilateralismo e de um sistema internacional baseado em regras”, disse o Secretário-Geral.

Legenda: O presidente eleito da Assembleia Geral da ONU, Abdulla Shahid, é entrevistado no salão da Assembleia Geral
Foto: © Eskinder Debebe/ Nações Unidas

Superando desafios - O recém-empossado presidente da Assembleia Geral, Abdulla Shahid, das Maldivas, abriu a 76ª sessão do grupo, observando que a bandeira de seu país está "voando mais alto hoje". Ele falou de “ansiedade coletiva” quase universal e desesperança, nem todas relacionadas à pandemia, dizendo: “a narrativa deve mudar”, e que a Assembleia Geral “deve ter um papel nisso”.

Entrevista exclusiva - Em sua primeira grande entrevista, Abdulla Shahid disse à UN News que a Assembleia Geral, como o órgão mais representativo da ONU, está em uma posição ideal para dar forma a essa esperança. O próximo Presidente da Assembleia Geral também disse que a esperança é desesperadamente necessária para os bilhões em todo o mundo que lutam com a pandemia, devastação e conflitos da COVID-19.  

“A Assembleia Geral é o único órgão que tem os 193 países representados e este órgão, quando fala por unanimidade, quando decide sobre um assunto, é a consciência internacional”, disse Abdulla Shahid, antes da 76ª sessão da Assembleia Geral, que começa em 14 de setembro.  

Ele acrescentou que em questões como a mudança climática e o acesso equitativo às vacinas, ele “nunca perderá a esperança de que a humanidade esteja à altura da situação”.

Shahid também falou sobre a importância dessas questões e de sua presidência geral para seu país natal, as Maldivas - onde ele atua como ministro das Relações Exteriores - uma nação insular de 26 atóis a sudoeste da Índia e Sri Lanka, com uma população de cerca de 530 mil pessoas . 

Ele agora representará um órgão das Nações Unidas que fala em nome de quase 7,9 bilhões de pessoas.

Suas prioridades para o próximo ano incluem liderar pelo exemplo para ajudar a ONU a alcançar o “padrão-ouro” em questões como igualdade de gênero. Isso significa participar de painéis com igual número de mulheres e lutar por uma ONU mais pró-família, para mães que amamentam ou cuidam de crianças pequenas.  

Ao longo da entrevista, Shahid reiterou a importância da cooperação multilateral e a ideia de que os desafios globais exigem uma ação global unificada. 

UN NEWS: Sua candidatura ao cargo de Presidente da Assembleia Geral foi construída em torno do tema da esperança. Dadas as ondas contínuas da COVID, acesso desigual às vacinas e conflitos contínuos em todo o mundo - como você planeja trazer esperança para a Assembleia Geral?  

Abdulla Shahid: Fiz campanha para uma presidência de esperança porque realmente acreditava que, devido à devastação, ao desespero e à dor de cabeça que passamos nos últimos 18 meses, é hora de as Nações Unidas como o organismo mundial que abrange toda a comunidade internacional, os 193 países inteiros, é hora de nos levantarmos e de darmos esperança aos nossos constituintes. A Carta diz “Nós, os povos”, por isso é hora de nós, o povo, nos unirmos para dar a esperança de que as pessoas precisam desesperadamente. 

Nestes tempos terríveis de pandemia, vimos a humanidade no seu melhor. Vimos isso nos sacrifícios graves dos trabalhadores da linha de frente, vimos os médicos, as enfermeiras, os muitos, muitos indivíduos comuns que colocaram suas vidas em perigo para ajudar os outros. Isso é esperança. Isso dá esperança à humanidade. 

Vimos uma vacina desenvolvida em tempo recorde - o que dá esperança para as Nações Unidas se unirem...e começarem a recuperação que é necessária agora. É a união que dá força.

Nas Maldivas, de onde venho, vivemos dia após dia, com a ameaça das mudanças climáticas, da elevação do nível do mar, mas nunca perderemos a esperança de que a humanidade estará à altura da situação. Que vamos sobreviver. É no espírito das Maldivas que nos esforçamos para o melhor, tentamos fazer melhor para tentar um amanhã melhor.

UN NEWS: Você tocou na questão das mudanças climáticas. Você é das Maldivas, um pequeno estado insular em desenvolvimento. Quais são as suas prioridades nesta área para a presidência?  

Abdulla Shahid: Tenho falado que a 76ª sessão é uma super sessão para a natureza e há uma razão - a 76ª sessão coincide com várias conferências importantes sobre mudança climática e meio ambiente. A COP26, as três principais conferências dos tratados do Rio, a COP da biodiversidade, a COP do desmatamento e a COP do diálogo de alto nível sobre energia e a Conferência do Oceano. 

Todas essas grandes conferências serão muito impulsionadas durante a próxima sessão. Pretendo ter certeza de usar meu poder de convocação como presidente para reunir a comunidade internacional.  

Para dar o empurrão final. Por exemplo, na preparação para a COP26, pretendo convocar um evento especial aqui na Assembleia Geral em outubro para dar aos países a oportunidade de se reunir e dar aquele compromisso político final. Sim, estamos comprometidos com o 1,5ºC [meta para limitar as emissões de carbono]. Sim, uma meta de 100 bilhões de dólares é alcançável. Sim, o Acordo de Paris  [sobre mudança climática] é viável. Sim, nos preocupamos com a humanidade. Que ouviremos os gritos do planeta Terra.  

Estamos vendo isso todos os anos. Estamos vendo a dor que nosso planeta está passando. Estamos vendo inundações extensas, clima insuportável, incêndios florestais. Você escolhe, nós estamos vendo. Então, é hora de as Nações Unidas se unirem e darem aquela mensagem de esperança de que sim, a humanidade sobreviverá. 

UN NEWS: A outra prioridade muito urgente agora é a COVID-19. Quais são seus objetivos para esta presidência?    

Abdulla Shahid:  Depois que fui selecionado, e estava falando aqui nesta Assembleia Geral, falei sobre vacinar o mundo porque é muito claro que ninguém está seguro até que todos estejam seguros. É fácil dizer, mas também é viável. Eu acredito que é possível porque a comunidade internacional tem capacidade. Apenas dizer que ninguém está seguro até que todos estejam seguros não é suficiente. Se pudermos nos unir, poderemos vacinar o mundo até o final de 2022 poderemos fazer isso.  

Pretendo convocar um evento de vacina, ainda este ano ou no início do próximo ano. Mais uma vez, para reunir os países para fazer um balanço e traçar um caminho a seguir. 

Discutimos alguns dos principais problemas que o mundo enfrenta agora. Como a Assembleia Geral pode fazer a diferença, visto que - diferente do Conselho de Segurança - não tem poderes para fazer cumprir a lei?  

O poder de fiscalização da Assembleia Geral, creio sinceramente, é mais do que o do Conselho de Segurança. A aplicação vem da associação. A Assembleia Geral é o único órgão que tem representados os 193 países membros, e este órgão quando fala por unanimidade, quando decide sobre o assunto é, ou seja, “a consciência internacional”. 

Então, temos que garantir que a Assembleia Geral funcione; funcione de forma mais pró-ativa; funcione de forma mais eficaz; para que a mensagem para o resto do mundo, para nós, seja clara. A Assembleia Geral estabelece padrões, a Assembleia Geral mostra o caminho a frente e a Assembleia Geral traça os limites, quanto ao que é aceitável e o que não é. 

Portanto, acredito que o órgão mais importante das Nações Unidas e do mundo, é a Assembleia Geral das Nações Unidas. Ela tem autoridade moral para definir padrões. 

UN NEWS: Posso pedir um acompanhamento, porque você fala de eficiência, de unidade. Como você espera usar sua posição como Presidente da Assembleia Geral para trazer essa unidade? 

Abdulla Shahid:  Eu entendo que teremos divisões, teremos divergências de opiniões, teríamos posições diferentes sobre as questões, mas meu tempo como Presidente do Parlamento e minha experiência parlamentar me mostram que é possível resolver questões por meio do diálogo. É importante que continuemos conversando, que encontremos a oportunidade de sentar, expor nossos pontos de vista uns aos outros e, então, seremos capazes de sair com a resolução de problemas. 

Se você olhar para a história mundial, vimos o conflito explodir quando as oportunidades de diálogo se fecharam, quando as pessoas decidiram se trancar e se distanciar. Esta assembleia aproxima as pessoas, dá oportunidade para as pessoas interagirem umas com as outras e devemos aproveitá-la ao máximo. 

UN NEWS: Você mencionou seu governo nas Maldivas. Dentro do seu Ministério das Relações Exteriores, você conseguiu trazer a igualdade de gênero a esse Ministério. Quais são seus objetivos aqui para sua presidência?  

Abdulla Shahid:  Decidi trazer a experiência do meu ministério nas Maldivas para o meu gabinete, então meu gabinete é equilibrado em termos de gênero. Muitos dos cargos seniores são ocupados por mulheres e eu também assumi o compromisso e, mais uma vez, prometo que não participarei de nenhum painel que não seja equilibrado em termos de gênero. 

Também pretendo ter certeza de que falarei mais e mais sobre isso. Quero fazer das Nações Unidas não apenas o criador do padrão-ouro, mas também o praticante do padrão-ouro. Nesse contexto, pretendo falar com o secretário-geral e com o Secretariado e tornar as Nações Unidas mais pró-família. Essa é uma tarefa que pretendo empreender.

Também vou continuar com o grupo consultivo sobre mulheres que o ex-presidente [Volkan] Bozkir constituiu. Também pretendo ter sessões regulares com as mulheres RP [Representantes Permanentes] que são residentes aqui, para que eu possa me beneficiar de seus pontos de vista. Pretendo garantir que a questão de gênero continue sendo uma das minhas principais prioridades durante minha presidência. 

UN NEWS: Estou muito curiosa, senhor, como mãe. Quais são algumas de suas ideias para tornar a ONU mais pró-família?

Abdulla Shahid:  Durante minha campanha, conheci uma embaixadora, ela compartilhou comigo a história horrível de que, em um dia em que sua babá cancelou no último minuto, ela não teve escolha a não ser trazer seus dois filhos pequenos, mas deixá-los dentro do carro na garagem da ONU com um motorista. Deve haver uma sala familiar onde as crianças possam ser cuidadas, pois essas são questões que devemos resolver.

UN NEWS: Minha última pergunta é sobre os jovens. Não tão jovem quanto estamos falando agora. Mas, jovens, como vocês esperam trazer os jovens para a Assembleia Geral, para dentro do que está acontecendo neste salão? 

Abdulla Shahid:  Eu era um jovem diplomata quando tive a experiência de participar da Assembleia Geral da ONU em 1988. Foi minha primeira experiência na Assembléia Geral como jovem diplomata. 

É minha experiência durante esses anos que me compromete com o multilateralismo. O que vi aqui nesta Assembleia Geral nos corredores e nas comissões, que me deu a confiança de que o multilateralismo é o único caminho a seguir. Quero dar essa oportunidade a jovens diplomatas de países sub-representados e é por isso que lancei um Programa de Bolsas do Presidente da Assembleia Geral para Jovens. Pretendo trazer uma série de jovens diplomatas de países sub-representados, dar-lhes a oportunidade de trabalhar em meu escritório e com os países que representam nas missões para que possam vivenciar o que acontece aqui. O seu trabalho será coordenado a partir do meu gabinete e, no final do ano, receberão um certificado que comprova que desempenhou bem as suas funções. 

Mas quem sabe um desses jovens diplomatas, que passar pela bolsa, possa se tornar o presidente da AG no futuro. Investir no multilateralismo é o que devemos fazer agora. A COVID-19, mais uma vez, nos mostrou agora que o multilateralismo é o único caminho a seguir. O melhor investimento no multilateralismo é investir nos jovens. E é isso que vou fazer. 

UN NEWS: O que sua presidência significa para seu país, as Maldivas? 

Abdulla Shahid:  Estou assumindo o cargo conhecendo muito bem os desafios que enfrentarei. Já me perguntaram muitas vezes, por que você jogou seu nome no chapéu em um momento tão agitado? Eu diria que esta é a melhor decisão que tomei. Porque é a única oportunidade em que você pode fazer a diferença e uma oportunidade em que um país pequeno como as Maldivas pode fazer a diferença. Para o povo das Maldivas, é uma grande honra. É um privilégio para um maldivo presidir a Assembleia Geral.

76ª Assembleia Geral da ONU tem início em meio ao "maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial"

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ONU
Organização das Nações Unidas

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa