Notícias

OPAS destaca crise de saúde mental causada pela COVID-19

25 novembro 2021

Uma nova publicação da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) mostra o impacto devastador da pandemia na saúde mental e no bem-estar das populações das Américas.

Os dados analisados ​​mostram que mais de quatro em cada 10 brasileiros tiveram problemas de ansiedade; os sintomas de depressão aumentaram cinco vezes no Peru; e a proporção de canadenses que relataram altos níveis de ansiedade quadruplicou como resultado da pandemia. Além disso, um terço das pessoas que sofreram com COVID-19 foram diagnosticadas com transtorno neurológico ou mental.

Ainda assim, muitos serviços de atendimento psicossocial foram interrompidos durante a pandemia. O novo estudo recomenda que esses serviços sejam reforçados e priorizados nos planos de resposta e recuperação da crise.

mulher negra está sentada com a mão no peito e as costas apoiadas em um sofá
Legenda: De acordo com a publicação, o impacto adverso da crise sanitária e social sobre a saúde mental foi generalizado na população das Américas
Foto: © Joice Kelly/Unsplash

Uma nova publicação da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) destaca o efeito devastador da pandemia de COVID-19 sobre a saúde mental e o bem-estar das populações das Américas, bem como o impacto da interrupção de serviços em toda a região.

O documento “Strengthening mental health responses to COVID-19 in the Americas: A health policy analysis and recommendations”, publicado recentemente na revista científica The Lancet Regional Health - Américas, examina estudos e dados de países da região em um esforço para compreender melhor o impacto da pandemia na saúde mental da população.

Os dados analisados ​​mostram que mais de quatro em cada 10 brasileiros tiveram problemas de ansiedade; os sintomas de depressão aumentaram cinco vezes no Peru; e a proporção de canadenses que relataram altos níveis de ansiedade quadruplicou como resultado da pandemia.

"A mensagem é clara: temos operado em modo de crise desde o início da pandemia", afirmou o diretor de Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental da OPAS, Anselm Hennis. "Além de controlar o medo de adoecer e o trauma de perder entes queridos com o novo coronavírus, o povo das Américas tem sofrido com o desemprego, a pobreza e a insegurança alimentar, e o impacto adverso sobre a saúde mental foi generalizado", enfatizou.

O documento também indica um aumento acentuado nos incidentes de violência doméstica durante a pandemia, citando estudos nacionais baseados em registros de linhas diretas, relatórios policiais e dados de prestadores de serviços, compondo taxas já altas de violência na região – três vezes a média mundial.

O documento também analisa as consequências para a saúde mental das pessoas que sofreram com o novo coronavírus. "Os dados existentes sugerem que um terço das pessoas que sofreram com COVID-19 foram diagnosticadas com transtorno neurológico ou mental", disse a principal autora do artigo da OPAS, Amy Tausch. “Esperamos que o aumento da carga de saúde mental seja um dos efeitos mais importantes da COVID-19 a longo prazo”, previu.

Em um momento em que cuidados e tratamento são mais necessários, a publicação aponta para interrupções contínuas em serviços essenciais para transtornos mentais, neurológicos e por uso de substâncias em mais da metade dos países da região.

“A falta de acesso a serviços de aconselhamento, a redução da disponibilidade de atendimento presencial e o fechamento de escolas têm limitado as formas pelas quais as pessoas podem receber suporte de saúde mental, deixando-as muitos isoladas, vulneráveis ​​e em maior risco”, declarou o chefe da Unidade de Saúde Mental e Uso de Substâncias da OPAS, Renato Oliveira.

O material também documenta o impacto da COVID-19 na saúde mental de populações vulneráveis, como jovens, mulheres, pessoas com transtornos mentais pré-existentes, bem como trabalhadores da saúde e da linha de frente e pessoas com menor status socioeconômico, e observa que estes foram mais gravemente afetados por interrupções nos serviços de saúde mental.

Os autores pedem uma ação imediata para fortalecer os sistemas e serviços de saúde mental na região, com atenção especial à integração do apoio psicossocial em setores e ambientes como a atenção primária à saúde, educação, serviços sociais e sistemas. Para mitigar o impacto da pandemia, os autores enfatizam que a saúde mental deve ser incorporada aos planos de preparação, resposta e recuperação para emergências.

Antes da pandemia, estimava-se que os transtornos mentais custariam à economia global 16 trilhões de dólares em 2030, se não fossem devidamente tratados. Investimentos adicionais são necessários com urgência e, à medida que os países aumentam os investimentos em serviços de saúde mental, os autores insistem que os grupos em situações vulneráveis devem ter maior prioridade.

“A saúde mental há muito tempo é uma área negligenciada da saúde pública nas Américas. Os governos devem aproveitar a pandemia de COVID-19 como uma oportunidade para reforçar seus serviços de saúde mental e fazer os investimentos necessários para reconstruir cada vez melhor. De maneira mais justa”, enfatizou Oliveira.

OPAS destaca crise de saúde mental causada pela COVID-19

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

OPAS/OMS
Organização Pan-Americana da Saúde

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa