Notícias

Banco Mundial prevê crescimento econômico global fraco nos próximos dois anos

13 janeiro 2022

O primeiro relatório de Perspectivas Econômicas Globais de 2022 lançado pelo Banco Mundial aponta que o crescimento global vai encolher dos 5,5% registrados em 2021 para 4,1% em 2022 e 3,2% em 2023.

Incertezas da pandemia, como cepas diferentes do coronavírus, e o aumento da inflação, da dívida e da desigualdade de renda são citadas no relatório como motivos da queda no crescimento.

Quando o assunto é produção, o revés é ainda maior em economias frágeis e afetadas por conflitos, cuja produção ficará 7,5% abaixo da tendência pré-pandemia. Para pequenos Estados insulares, será 8,5% menor

Um homem trabalha em uma fábrica de algodão nos arredores de Joanesburgo, na África do Sul
Legenda: A desaceleração notável principais economias do mundo, incluindo os Estados Unidos e a China, terá um impacto na demanda externa de nações emergentes e em desenvolvimento
Foto: © Kris Terauds/UNCTAD

O Banco Mundial divulgou o seu primeiro relatório de 2022 na terça-feira (11), revelando que o crescimento econômico global será mais fraco pelos próximos dois anos, devido às “novas ameaças” das variantes da COVID-19 e aumento da inflação, dívida e desigualdade de renda. O relatório Perspectivas Econômicas Globais, aponta que, embora o crescimento econômico tenha experimentado uma forte recuperação em 2021, espera-se uma queda acentuada, dos 5,5% registrados no ano passado para 4,1% em 2022, e 3,2% em 2023. 

Interrupção e desaceleração - Dada a rápida disseminação da variante Ômicron, a pandemia da COVID-19 continuará a interromper a atividade econômica no curto prazo. Além disso, uma desaceleração notável nas principais economias, incluindo os Estados Unidos e a China, terá um impacto na demanda externa de nações emergentes e em desenvolvimento. 

“A economia mundial está enfrentando simultaneamente a COVID-19, a inflação e a incerteza política, com gastos governamentais e políticas monetárias em território desconhecido. O aumento da desigualdade e os desafios de segurança são particularmente prejudiciais para os países em desenvolvimento”, disse o presidente do Grupo Banco Mundial, David Malpass. 

“Colocar mais países em um caminho de crescimento favorável requer uma ação internacional concertada e um conjunto abrangente de respostas políticas nacionais”, insistiu Malpass. 

O relatório ainda destaca que a desaceleração coincidirá com uma divergência cada vez maior nas taxas de crescimento entre economias avançadas e emergentes ou em desenvolvimento.

Retrocesso em economias frágeis - Até 2023, todas as economias avançadas terão alcançado uma recuperação total da produção, informa o relatório, mas a produção nas economias emergentes e em desenvolvimento permanecerá 4% abaixo de sua tendência pré-pandemia. O revés é ainda maior em economias frágeis e afetadas por conflitos, cuja produção ficará 7,5% abaixo da tendência pré-pandemia. Para pequenos Estados insulares, será 8,5% abaixo. 

Enquanto isso, o aumento da inflação está restringindo a política monetária, com os trabalhadores de baixa renda sendo particularmente atingidos. A inflação está nas taxas mais altas desde 2008, tanto globalmente quanto nas economias avançadas, e atingiu sua taxa mais alta em uma década nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento. 

Priorizar a equidade das vacinas - O relatório contém seções analíticas que descrevem três obstáculos emergentes à recuperação durável nas economias em desenvolvimento. Também inclui perspectivas regionais de crescimento nos próximos dois anos. 

A diretora-gerente de Políticas e Parcerias de Desenvolvimento do Banco Mundial, Mari Pangestu, enfatizou a importância da colaboração multilateral, pois as escolhas que os formuladores de políticas fizerem nos próximos anos decidirão o curso da próxima década. 

“A prioridade imediata deve ser garantir que as vacinas sejam implantadas de forma mais ampla e equitativa para que a pandemia possa ser controlada. Mas enfrentar as reversões no progresso do desenvolvimento, como o aumento da desigualdade, exigirá apoio sustentado”, argumentou.  

“Em um momento de dívida alta, a cooperação global será essencial para ajudar a expandir os recursos financeiros das economias em desenvolvimento para que possam alcançar um desenvolvimento verde, resiliente e inclusivo”, concluiu Pangestu.

 

Banco Mundial prevê crescimento econômico global fraco nos próximos dois anos

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ONU
Organização das Nações Unidas

Outras entidades envolvidas nesta iniciativa

Banco Mundial
Banco Mundial

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa