Notícias

Guerra na Ucrânia: crescem relatos de violência sexual e tráfico humano

12 abril 2022

Uma reunião no Conselho de Segurança da ONU debateu as consequências do conflito em curso na Ucrânia sobre mulheres e crianças.

Em meio a relatos crescentes de violência sexual e tráfico de seres humanos, a chefe da ONU Mulheres chamou atenção do órgão da ONU para a dimensão de gênero do conflito e alertou sobre uma crise de proteção.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) relatou que cerca de dois terços das crianças ucranianas já deixaram suas casas. Além disso, até 10 de abril, a ONU verificou 142 crianças mortas e 229 feridas – um número que provavelmente está subnotificado.

Mesmo com a crescente vulnerabilidade de mulheres e meninas, uma ativista ucraniana advertiu contra a visão das mulheres ucranianas como meras vítimas da agressão militar russa. A presidente da organização La Strada-Ucrânia, Kateryna Cherepakha, lembrou que as mulheres ucranianas são parte integrante de seu país e de sua resistência.

Uma menina que fugiu da Ucrânia, em um centro de refugiados na Polônia
Legenda: Uma menina que fugiu da Ucrânia, em um centro de refugiados na Polônia
Foto: © OMS

Relatos crescentes de violência sexual e tráfico de seres humanos na Ucrânia – supostamente cometidos contra mulheres e crianças no contexto de deslocamento em massa e da invasão russa em curso – estão levantando “todas as bandeiras vermelhas” sobre uma potencial crise de proteção, alertou a diretora executiva da ONU Mulheres, Sima Bahous, ao Conselho de Segurança na segunda-feira (11).

A chefe da agência de igualdade de gênero e empoderamento da ONU informou que relatos de estupro e outros crimes estão surgindo à medida que um grande número de ucranianos deslocados continua fugindo de suas casas em meio à presença de soldados e mercenários recrutados, e no contexto de assassinatos brutais de civis.

Crise para as mulheres - Bahous relatou sobre sua recente viagem à República da Moldávia, onde testemunhou ônibus cheios de mulheres e crianças ansiosas e exaustas sendo recebidas na fronteira ucraniana por trabalhadores da sociedade civil compassivos.

Como parte de seu mandato de coordenação, a ONU Mulheres está apoiando esses grupos “para garantir que a natureza de gênero desta crise seja abordada com uma resposta sensível às questões de gênero”.

Condenando nos termos mais fortes um ataque de 8 de abril a uma estação de trem em Kramatorsk, que matou dezenas de mulheres e crianças que aguardavam evacuação da Ucrânia, ela também alertou que “esse trauma corre o risco de destruir uma geração”.

Riscos crescentes – O diretor de emergências do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Manuel Fontaine, informou que as equipes do UNICEF estavam descarregando suprimentos humanitários que salvam vidas a apenas um quilômetro da estação de trem de Kramatorsk no momento do ataque de 8 de abril.

Enquanto isso, crianças, famílias e comunidades na Ucrânia continuam sob ataque, muitos não têm comida suficiente e os ataques aos sistemas de água deixaram cerca de 1,4 milhão sem acesso a um abastecimento seguro.

Até 10 de abril, a ONU verificou 142 crianças mortas e 229 crianças feridas, no entanto, esses números provavelmente estão subestimados. Centenas de escolas e instalações educacionais também foram atacadas ou usadas para fins militares.

Enfatizando que quase dois terços de todas as crianças ucranianas foram deslocadas desde o início do conflito, Fontaine disse que o UNICEF e seus parceiros estão fazendo todo o possível, dentro e fora da Ucrânia – incluindo monitorar cuidadosamente a saúde, os direitos e a dignidade de mulheres e meninas à medida que aumenta o risco de exploração e abuso. No entanto, o conflito em curso está impedindo o acesso a muitas áreas do país.

Evidências de assassinatos brutais por tropas russas - Kateryna Cherepakha, presidente da organização La Strada-Ucrânia, também falou ao Conselho. Ela disse que grupos locais de direitos humanos estão atualmente consolidando esforços para salvar vidas de civis e coletar testemunhos de sobreviventes sobre os crimes de guerra cometidos pela Rússia.

Segundo ela, apesar de indicações claras de sua condição de civis - e mesmo enquanto buscam evacuação - mulheres ucranianas desarmadas carregando crianças foram brutalmente mortas por tropas russas. Cherepakha apontou ataques como da estação ferroviária de Kramatorsk, bem como a maternidades, jardins de infância e jardins de infância e abrigos em Mariupol.

Destacando a crescente vulnerabilidade de mulheres e meninas à ameaça de sequestro, tortura e assassinato, ela, no entanto, alertou contra a visão das mulheres ucranianas como meras vítimas da agressão militar russa. Segundo a ucraniana, as mulheres voluntárias, ativistas, jornalistas e defensoras de direitos humanos são parte integrante de seu país e de sua resistência.

Guerra na Ucrânia: crescem relatos de violência sexual e tráfico humano

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ONU Mulheres
Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Empoderamento da Mulher
UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa