Notícias

Varíola dos macacos: Comitê decidirá se doença é emergência global

15 junho 2022

No próximo dia 23 de junho o Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional se reunirá para debater se a varíola dos macacos será classificada como emergência de saúde pública de interesse internacional, a exemplo da COVID-19 e da poliomielite. 

O anúncio foi feito pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Gebreyesus, nesta terça-feira (14), ao atualizar o número de casos confirmados para 1,6 mil em 39 países, sendo 32 deles não endêmicos. 

O risco de propagação da doença na Europa é considerado "alto" no momento, enquanto no resto do mundo "moderado". Apesar de causar sintomas leves na maioria dos casos, a propagação é considerada incomum e preocupante pelos especialistas.

 

O vírus da varíola dos macacos causa uma infecção rara, cujo principal sintoma é presença de lesões em toda a pele.
Legenda: O vírus da varíola dos macacos causa uma infecção rara, cujo principal sintoma é presença de lesões em toda a pele.
Foto: © Maurizio de Angelis/Science Photo Library.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Gebreyesus, declarou nesta terça-feira (14) que o Comitê de Emergência do Regulamento Sanitário Internacional foi convocado para debater se a varíola dos macacos será classificada como emergência de saúde pública de interesse internacional. Atualmente, apenas a COVID-19 e a poliomielite estão dentro desta classificação. 

Os especialistas do comitê se reunirão em 23 de junho para fazer esta avaliação uma vez que, somente neste ano, a varíola dos macacos já contaminou 1,6 mil pessoas em 39 países e é a principal suspeita em outros 1,5 mil casos cujos diagnósticos ainda estão em investigação.

Chama a atenção o fato de que dos 39 países onde a doença foi detectada este ano, apenas sete eram considerados endêmicos. Nestes sete países, 72 mortes por varíola dos macacos foram registradas previamente. Neste novo surto não houve nenhuma confirmação de morte em nações recém-afetadas, apesar da OMS ter informado que está investigando um óbito suspeito no Brasil. 

“O surto global de varíola dos macacos é claramente incomum e preocupante ”, disse o diretor da OMS ao anunciar a convocação do comitê e pedir por uma intensificação da resposta internacional à doença. 

O diretor-geral assistente de resposta a emergências da OMS, Ibrahima Socé Fall, também explicou na mesma ocasião que o risco de propagação na Europa é considerado "alto" no momento, enquanto no resto do mundo "moderado". Ele reforçou que ainda existem lacunas de conhecimento sobre como o vírus está sendo transmitido. “Não queremos esperar até que a situação esteja fora de controle”, disse ao endossar o pedido de intensificação de resposta ao vírus. 

Detecção e controle - A OMS também publicou recomendações para governos sobre detecção e controle de casos de varíola. Em uma coletiva de imprensa em Genebra, a especialista em varíola da OMS, Rosamund Lewis, disse que é crucial conscientizar a população sobre o nível de risco e explicar as recomendações para evitar infectar contatos próximos e familiares.

Ela frisou que, embora a doença às vezes produza apenas sintomas leves como lesões na pele, ela pode ser contagiosa por duas a quatro semanas. “Sabemos que é muito difícil as pessoas se isolarem por tanto tempo , mas é muito importante proteger os outros. Na maioria dos casos, as pessoas podem se auto-isolar em casa e não há necessidade de estar no hospital”, acrescentou.

A varíola dos macacos é transmitida através do contato físico próximo com alguém que apresenta sintomas. A erupção cutânea, fluidos e crostas são especialmente infecciosas. Roupas, roupas de cama, toalhas ou objetos, como talheres ou pratos contaminados com o vírus, também podem infectar outras pessoas.

No entanto, segundo informou a especialista, ainda não está claro se as pessoas que não apresentam sintomas podem espalhar a doença ou não.

Vacinação - Outro ponto abordado pela agência da ONU foram as novas diretrizes de vacinação contra a varíola dos macacos. Embora alguns países tenham estocado estrategicamente vacinas mais antigas contra a varíola comum - um vírus erradicado em 1980 - essas vacinas de primeira geração não são recomendadas para varíola dos macacos no momento, porque não atendem aos padrões atuais de segurança e fabricação.

Vacinas contra varíola mais novas e mais seguras (segunda e terceira geração) também estão disponíveis, algumas das quais podem ser úteis para varíola dos macacos e uma das quais (MVA-BN) já foi aprovada para a prevenção da doença. 

No entanto, a OMS frisou que o fornecimento dessas novas vacinas é limitado e as estratégias de acesso estão sendo discutidas. “Neste momento, a Organização Mundial da Saúde não recomenda a vacinação em massa. As decisões sobre o uso de vacinas contra varíola ou varíola dos macacos devem ser baseadas em uma avaliação completa dos riscos e benefícios em cada caso", orientam as diretrizes publicadas pela OMS também nesta terça-feira.

Para os que tiveram contato com pacientes doentes, recomenda-se a profilaxia pós-exposição com uma vacina de segunda ou terceira geração, idealmente dentro de quatro dias após a primeira exposição para prevenir o início da doença.

A profilaxia pré-exposição é recomendada para profissionais de saúde, funcionários de laboratório clínico que trabalham com ortopoxvírus ou que realizam testes de diagnóstico para varíola dos macacos e outros que possam estar em risco.

COVID-19 - O diretor da OMS também aproveitou o anúncio da convocação do comitê para também atualizar a situação do combate à COVID-19. Tedros disse que tanto os casos relatados quanto as mortes diminuíram mais de 90%, em relação aos máximos alcançados no início deste ano.

“Esta é tendência de redução é muito bem-vinda. Ainda assim, mais de três milhões de casos foram relatados à OMS na semana passada – e como muitos países reduziram a vigilância e os testes, sabemos que esse número está subnotificado”, acrescentou.

Nesse período, foram registradas 8.737 mortes. Tedros chamou isso de “nível inaceitável” quando existem ferramentas eficazes para prevenir, detectar e tratar essa doença.

O chefe da OMS também pediu aos países que cheguem a um acordo sobre a suspensão temporária de direitos de propriedade intelectual para vacinas, tratamentos e testes de diagnóstico da COVID-19 durante a Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio que deve ocorrer nesta semana.

“Como já disse muitas vezes, a suspensão [de patentes] foi criada para uso em emergências. Então, se não agora, quando?”, disse o diretor da OMS.

Até este mês, pouco mais de 72% das pessoas em países de alta renda já estavam vacinadas com pelo menos uma dose da vacina COVID-19, em comparação com cerca de 18% das pessoas em países de baixa renda. Esta diferença foi classificada como um “apartheid vacinal”, pela relatora especial sobre formas contemporâneas de racismo, E. Tendayi Achiume. 

Ela enviou uma carta aos membros da Organização Mundial do Comércio, instando os representantes dos Estados na Conferência Ministerial desta semana a honrar os compromissos e obrigações legais de igualdade e não discriminação consagrados na lei internacional de direitos humanos.“Os Estados devem demonstrar vontade política, liderança e firme compromisso com a igualdade racial que a mudança transformadora exige”, disse Achiume.

Varíola dos macacos: Comitê decidirá se doença é emergência global

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

OMS
Organização Mundial da Saúde

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa