Notícias

ONU-Habitat: população mundial será 68% urbana até 2050

01 julho 2022

Relatório Mundial das Cidades 2022, publicado pelo ONU-Habitat nesta semana, aponta que população mundial será 68% urbana até 2050.

Apesar de uma desaceleração no ritmo da urbanização durante a pandemia, estimativa é que a população urbana aumente em 2,2 bilhões de pessoas anualmente até 2050.

Lançamento do relatório foi feito durante a 11ª sessão do Fórum Urbano Mundial, a principal conferência sobre desenvolvimento urbano sustentável, encerrada em 30 de junho em Katowice, na Polônia.

Imagem aérea do Rio de Janeiro a partir do Pão de Açúcar
Legenda: Relatório da ONU Habitat propõe sugestões sobre o futuro das cidades com base nas tendências, desafios e oportunidades observados ao longo dos dois anos de pandemia
Foto: © F Cary Snyder/Unsplash

Cidades podem ser lugares mais equitativos, ecológicos e baseados no conhecimento. Esta é uma das conclusões do Relatório Mundial das Cidades, documento bianual lançado pelo Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) nesta quarta-feira (30). Dividido em dez capítulos temáticos, o Relatório compila uma visão abrangente sobre a realidade das cidades, as tendências da política urbana e as perspectivas do desenvolvimento urbano sustentável.

Um dos destaques é que, nos últimos dois anos, foi percebida uma desaceleração na velocidade de urbanização a nível global. Isso porque no início da pandemia de COVID-19 houve uma migração em grande escala das principais cidades para o campo ou para pequenas cidades em busca de mais segurança sanitária.

No entanto, essa foi uma resposta de curto prazo que não alterou o curso da urbanização global: a população urbana continua crescendo, e a previsão é de que cidades em todo mundo tenham 2,2 bilhões de habitantes a mais até 2050. No ritmo atual, a estimativa é que a população urbana passe de 56% do total global em 2021 para 68% em 2050.

“As cidades sofreram o impacto da pandemia. As áreas urbanas já abrigam 55% da população mundial, e esse número deve crescer para 68% até 2050. Nosso mundo em rápida urbanização deve responder efetivamente a essa pandemia e se preparar para futuros surtos de doenças infecciosas", afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Para isso, o relatório propõe sugestões sobre o futuro das cidades com base nas tendências, desafios e oportunidades observados ao longo dos dois anos de pandemia. Com o documento, é possível olhar para as cidades antecipando a mudança, corrigindo o curso de ação e conhecendo melhor os diferentes cenários ou possibilidades que o futuro oferece.

Diretora executiva da ONU-Habitat, Maimunah Mohd Sharif, participa do lançamento do Relatório Mundial das Cidades 2022 no Fórum Urbano Mundial, na Polônia.
Legenda: Diretora executiva da ONU-Habitat, Maimunah Mohd Sharif, participa do lançamento do Relatório Mundial das Cidades 2022 no Fórum Urbano Mundial, na Polônia.
Foto: © ONU-Habitat

Tendência  — O relatório também conclui que o futuro da humanidade é inegavelmente urbano, tornando-se uma poderosa megatendência do século 21. Apesar da alta incidência do vírus nas áreas urbanas e das dificuldades econômicas criadas pela pandemia, as cidades voltam a ser mais uma vez focos de oportunidades para pessoas que buscam emprego, educação ou refúgio de conflitos.

“Inúmeros desafios foram expostos e exacerbados pela pandemia, mas a COVID-19 também trouxe uma sensação de otimismo: a oportunidade de reconstruir de forma diferente. Se aplicarmos as políticas corretas e tivermos compromisso adequado dos governos, nossas crianças podem herdar um futuro urbano mais inclusivo, verde, seguro e saudável", afirmou a Diretora Executiva do ONU-Habitat, Maimunah Mohd Sharif.

“Devemos começar a reconhecer que o status quo anterior a 2020 era, em muitos sentidos, um modelo insustentável de desenvolvimento urbano. Devemos adotar as melhores práticas aprendidas em nossas respostas ao COVID-19 e à crise climática”, complementa.

Este novo relatório também exige um maior compromisso dos governos nacionais, regionais e locais e incentiva uma maior adoção de tecnologias inovadoras e conceitos de vida urbana. O estudo reafirma a ideia do ONU-Habitat de que alcançar cidades igualitárias e inclusivas implicará em um novo contrato social na forma de renda básica universal, cobertura de saúde, além de moradia e serviços básicos para todas as pessoas.

Da mesma forma, o documento também relembra a importância da Nova Agenda Urbana, criada há cinco anos pelo ONU-Habitat e endossada pela Assembleia Geral da ONU. O documento fornece uma ampla estrutura para a política urbana poder promover a integração de todos os elementos em prol do desenvolvimento sustentável.

Acesse aqui o Relatório Mundial das Cidades 2022 (em inglês).

ONU-Habitat: população mundial será 68% urbana até 2050

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ONU-HABITAT
Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa