“Precisamos de esforços extraordinários para combater a pobreza”, diz chefe da ONU

  • A pandemia da COVID-19 é uma dupla crise para as pessoas mais pobres do mundo. Primeiro porque correm um maior risco de exposição ao vírus e têm menos acesso a cuidados de saúde de qualidade. E, em segundo lugar, estimativas recentes mostram que a pandemia pode levar 115 milhões de pessoas à pobreza este ano – o primeiro aumento em décadas.
  • A avaliação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em uma mensagem em vídeo marcando o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, lembrado anualmente em 17 de outubro.

A pandemia da COVID-19 é uma dupla crise para as pessoas mais pobres do mundo. Primeiro porque correm um maior risco de exposição ao vírus e têm menos acesso a cuidados de saúde de qualidade. E, em segundo lugar, estimativas recentes mostram que a pandemia pode levar 115 milhões de pessoas à pobreza este ano – o primeiro aumento em décadas.

A avaliação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em uma mensagem em vídeo marcando o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, lembrado anualmente em 17 de outubro.

Guterres destacou ainda que as mulheres correm um maior risco porque têm maior probabilidade de perder os seus empregos e menor probabilidade de ter proteção social.

“Nestes tempos extraordinários, precisamos de esforços extraordinários para combater a pobreza. A pandemia exige uma forte ação coletiva”, disse.

“Os governos devem acelerar a transformação econômica, investindo numa recuperação verde e sustentável. Precisamos de uma nova geração de programas de proteção social que também abranjam pessoas que trabalham na economia informal.”

Guterres pediu união em torno de uma causa comum. Segundo o secretário-geral, esta é a “única maneira de sairmos com segurança desta pandemia”.

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
ONU
Organização das Nações Unidas