UNICEF prepara estoque de 1 bilhão de seringas para futura vacina contra a COVID-19

  • O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) vai reservar 520 milhões de seringas até o final do ano para garantir o abastecimento, quando uma vacina contra a COVID-19 estiver pronta. Até 2021, o plano é chegar a 1 bilhão destes equipamentos. 
  • Em comunicado, a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore, disse que “vacinar o mundo contra a COVID-19 será um dos maiores empreendimentos em massa da história da humanidade e é preciso agir tão rápido quanto a produção de vacinas”. 
Funcionária de saúde prepara vacina em assentamento de refugiados rohingya em Bangladesh.
Funcionária de saúde prepara vacina em assentamento de refugiados rohingya em Bangladesh.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) vai reservar 520 milhões de seringas até o final do ano para garantir o abastecimento, quando uma vacina contra a COVID-19 estiver pronta. Até 2021, o plano é chegar a 1 bilhão destes equipamentos. 

Assim que as vacinas forem licenciadas, o mundo precisará de tantas seringas quantas doses de vacina. E o objetivo é garantir que este tipo de equipamento chegue aos países antes das vacinas. 

Em comunicado, a diretora-executiva do UNICEF, Henrietta Fore, disse que “vacinar o mundo contra a COVID-19 será um dos maiores empreendimentos em massa da história da humanidade e é preciso agir tão rápido quanto a produção de vacinas”. 

Segundo a chefe da agência, para isso acontecer, é preciso atuar agora, porque as seringas “poderão ser enviadas de forma rápida e econômica”. 

A agência está trabalhando com o seu parceiro Aliança Global de Vacinas, Gavi.  

O UNICEF também comprará 620 milhões de seringas para programas contra outras doenças, como o sarampo e febre tifoide.  

Além das seringas, o UNICEF também está comprando 5 milhões de caixas de segurança para que os materiais possam ser descartados de maneira segura, evitando o risco de ferimentos e doenças transmitidas pelo sangue. Cada caixa contém 100 unidades.  

Os equipamentos de injeção têm vida útil de cinco anos, e os prazos de entrega também são longos, pois esses itens são volumosos e precisam ser transportados por frete marítimo.  

As vacinas sensíveis ao calor são normalmente transportadas mais rapidamente por via aérea. Além de economizar tempo, a compra antecipada de seringas e caixas de segurança também reduz a pressão no mercado e previne picos iniciais de demanda. 

Parceria

Como o principal coordenador de compras da Gavi, o UNICEF já é o maior comprador individual de vacinas do mundo, adquirindo mais de 2 bilhões de doses de vacinas anualmente para imunização de rotina e resposta a surtos em nome de quase 100 países. 

Todos os anos, a agência fornece vacinas para quase metade das crianças do mundo, adquirindo e fornecendo entre 600 e 800 milhões de seringas para programas regulares de imunização. As vacinas contra a COVID-19 devem triplicar ou quadruplicar esse número. 

Em comunicado, o diretor-executivo da Gavi, Seth Berkley, lembrou que, ao longo de duas décadas, a Aliança Global de Vacinas ajudou mais de 822 milhões de crianças dos países mais vulneráveis ​​do mundo a ter acesso a vacinas essenciais. 

“Isso não teria sido possível sem a parceria com o UNICEF e é essa mesma colaboração que será fundamental para o trabalho da Gavi com o Covax”, afirmou o diretor-executivo da Gavi. 

Segurança 

Para garantir que as vacinas sejam transportadas e armazenadas na temperatura certa, o UNICEF e a Organização Mundial da Saúde (OMS) estão mapeando os equipamentos da cadeia de frio e a capacidade de armazenamento, tanto no setor privado quanto no público. Também estão preparando as orientações para os países receberem as vacinas. 

Segundo a diretora-executiva do UNICEF, as agências estão “fazendo tudo o que podem para entregar esses suprimentos essenciais de forma eficiente, eficaz e na temperatura certa, como já fazem tão bem em todo o mundo”. 

Mesmo antes da pandemia, com o apoio da Gavi e em parceria com a OMS, o UNICEF estava atualizando o equipamento da rede de frio existente nas unidades de saúde dos países para garantir que as vacinas permaneçam seguras e eficazes durante toda a viagem. 

Desde 2017, mais de 40 mil geladeiras de cadeia de frio foram instaladas em unidades de saúde, principalmente na África. Na maioria dos países, o UNICEF promove tecnologias solares para ajudar a manter as cadeias de abastecimento. 

No Sudão do Sul, por exemplo, o país menos eletrificado do mundo, onde as temperaturas frequentemente excedem 40º C, mais de 700 unidades de saúde foram equipadas com geladeiras de energia solar, aproximadamente 50% das unidades de saúde do país. 

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade
UNICEF
Fundo das Nações Unidas para a Infância
OMS
Organização Mundial da Saúde