Notícias

Fortalecer a participação para enfrentar as crises, pede Bachelet no Conselho de Direitos Humanos

04 março 2021

  • “A participação é um direito e um meio de assegurar uma política melhor e mais eficaz”, enfatizou hoje a chefe de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, ao apresentar uma atualização ao Conselho de Direitos Humanos sobre a situação em mais de 50 países do mundo, no âmbito da 46ª sessão deste órgão intergovernamental.
  • Para Bachelet, desafios como a COVID-19, crises econômicas e a angústia que isso gera nas pessoas devem ser enfrentados através do fortalecimento da participação e da prestação de contas.
  • Nessa linha, ela enfatizou que a proteção do espaço cívico e do direito de todas as pessoas à participação geram “resiliência, prosperidade e paz”.
Foto: © ACNUDH

“A participação é um direito e um meio de assegurar uma política melhor e mais eficaz”, enfatizou nesta sexta-feira (26) a chefe de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, ao apresentar uma atualização ao Conselho de Direitos Humanos sobre a situação em mais de 50 países do mundo, no âmbito da 46ª sessão deste órgão intergovernamental.

Para Bachelet, desafios como a COVID-19, crises econômicas e a angústia que isso gera nas pessoas devem ser enfrentados através do fortalecimento da participação e da prestação de contas.

Nessa linha, ela enfatizou que a proteção do espaço cívico e do direito de todas as pessoas à participação geram “resiliência, prosperidade e paz”.

Durante a reunião do Conselho de Direitos Humanos, que será realizada em Genebra até 23 de março, o Alta Comissária apresentará atualizações sobre temas e países como Afeganistão, Bielorrússia, Colômbia, República Democrática do Congo, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Sri Lanka e Venezuela, entre outros.

América Latina: protestos, migração, meio ambiente

Diante do Conselho, Bachelet salientou que “sistemas de seguridade social fracos, desigualdades estruturais de longa data e discriminação” aumentaram o impacto da COVID-19 no continente americano, o que pode se traduzir em uma grave crise sócio-econômica e humanitária. Ela também destacou que os direitos econômicos e sociais, a impunidade e a corrupção têm estado no centro dos protestos em países como Bolívia, Chile, Equador e Peru.

Lembrando que em vários desses países o uso excessivo da força tem sido exercido em resposta às manifestações, a Alta Comissária incentivou os Estados a tomarem medidas para evitar que a situação continue deteriorando-se, para proteger as liberdades de associação e reunião pacífica, e para garantir que os protestos sejam administrados de acordo com os padrões de direitos humanos.

No contexto do fluxo migratório sem precedentes desde a Venezuela, Bachelet considerou particularmente preocupante a militarização da gestão de fronteiras no Equador, Peru e Chile, bem como a informação de que “pessoas estão sendo expulsas sem uma avaliação adequada de sua vulnerabilidade ou necessidades de proteção”.

Ela também instou o Brasil e outros países da Amazônia e do Pantanal a proteger os povos indígenas e seus territórios das indústrias extrativas e da agricultura de monocultura, destacando que a aplicação reduzida de leis ambientais durante a pandemia causou um aumento nas atividades como mineração e extração ilegal de madeira.

“Em toda a região, estou preocupada com os ataques contínuos - incluindo assassinatos - contra ativistas ambientais, pessoas defensoras dos direitos humanos e jornalistas, bem como o uso indevido das leis penais para silenciar vozes críticas”, disse a Alta Comissária.

Leia o discurso da Alta Comissária ao Conselho de Direitos Humanos aqui (disponível em inglês).

O Conselho de Direitos Humanos é um órgão intergovernamental das Nações Unidas encarregado de fortalecer a promoção e proteção dos direitos humanos em todo o mundo e tratar de situações de violação dos direitos humanos e fazer recomendações sobre elas. Tem a capacidade de discutir todas as questões temáticas relacionadas aos direitos humanos e situações que requerem sua atenção ao longo do ano. Reúne-se no Escritório das Nações Unidas em Genebra. O Conselho é composto por 47 Estados-Membros das Nações Unidas eleitos pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Um programa detalhado e mais informações sobre a 46ª sessão podem ser encontrados no site do Conselho de Direitos Humanos. Toda as reuniões serão transmitidas ao vivo no site http://webtv.un.org

Para mais informações e solicitações de imprensa em Genebra, entre em contato com Rupert Colville (+ 41 22 917 9767 / rcolville@ohchr.org); Ravina Shamdasani (+ 41 22 917 9169 / rshamdasani@ohchr.org); Liz Throssell (+ 41 22 917 9296 / ethrossell@ohchr.org); ou Marta Hurtado (+ 41 22 917 9466 / mhurtado@ohchr.org)

Defenda os direitos humanos de alguém hoje. #Standup4humanrights e visite: http://www.standup4humanrights.org/es

Fortalecer a participação para enfrentar as crises, pede Bachelet no Conselho de Direitos Humanos

Entidades da ONU envolvidas nesta atividade

ACNUDH
Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos

Objetivos que apoiamos através desta iniciativa